Pular para o conteúdo principal

BAIRRO INTELIGENTE: PROTOCOLO ENTRE ITAIPU E PREFEITURA DE FOZ TRANSFORMAM A VILA A NUM ENORME PARQUE A CÉU ABERTO

Protocolo de intenções assinado entre PTI e Prefeitura de Foz do Iguaçu deu a partida no Programa Acelera FOZ
O diretor superintendente do PTI, general Eduardo Garrido e o Prefeito Chico Brasileiro parcerias para a construção de ciclovia, calçamento e paisagismo que irão transformar a Vila A num grande parque para a comunidade de Foz. paralelamente à construção, Itaipu está fazendo o plantio de 2.700 mudas nativas para compensar o corte de árvores. Foto: Kiko Sierich - PTI 

A Vila A será o primeiro bairro do Brasil a ter tecnologias voltadas a tornar as cidades inteligentes testadas e demonstradas, com o objetivo de promover melhorias em áreas como segurança pública e mobilidade urbana. O projeto integra um protocolo de intenções assinado entre o Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR) e a Prefeitura de Foz do Iguaçu. 
Obras da ciclovia da Vila A - Foto: Rubens Fraulini - Itaipu Binacional.
Aos poucos, a Vila A, bairro historicamente ligado à usina de Itaipu, em Foz do Iguaçu (PR), vai ganhando melhorias por toda parte, com investimentos diretos da empresa. A ideia é que, no futuro, o lugar se transforme num grande parque. A transformação da Vila A é uma das ações previstas no protocolo, que prevê também a facilitação da instalação de empresas de base tecnológica no município, a integração do Parque Tecnológico com o Centro Municipal de Inovação, além de atendimentos pedagógicos para alunos da rede municipal. 
Vista aérea da Vila A. Foto: Kiko Sierich - PTI.
A escolha da Vila A como ambiente de demonstração se deve a algumas características específicas do bairro, como possuir uma associação de moradores, que reúne dados relacionados à segurança; equipamentos públicos de lazer, como o Gramadão; e uma infraestrutura, que envolve conectividade – fibra ótica – e equipamentos públicos, necessária para a realização do projeto-piloto. Também foram determinantes para a escolha do bairro a proximidade com o Parque Tecnológico, onde está o Laboratório de Cidades Inteligentes, e os investimentos programados por Itaipu para a Vila A, como a revitalização do Gramadão, o Hospital Ministro Costa Cavalcanti que é referência nacional, a construção do Mercado Municipal e a criação de um circuito turístico que contempla pontos históricos da criação da usina, como as vilas construídas para abrigar os trabalhadores da usina de Itaipu na época de sua construção.
Avenida Sílvio Américo Sasdelli, principal da Vila A. Foto: Kiko Sierich - PTI.
Para dar início à implementação, está sendo necessária uma regulamentação específica para transformar a Vila A em um ambiente de testes e demonstrações de tecnologias, já prevista no protocolo assinado. A partir de então, foram definidas as estratégias de implementação do Programa, que deve ser feito por fases, conforme a definição das áreas prioritárias e que possuam a infraestrutura lógica necessária para a instalação das tecnologias. O Programa Vila A Inteligente é uma iniciativa do Parque Tecnológico em conjunto com a Itaipu Binacional e a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI). O projeto estende ao bairro as soluções implementadas no Laboratório Vivo de Cidades Inteligentes do Parque Tecnológico com o apoio da ABDI, e onde concentram-se tecnologias como, por exemplo, as luminárias inteligentes com reconhecimento facial e o monitoramento por drones. Também poderão ser instaladas novas tecnologias, por meio da parceria com empresas e startups que tiverem interesse em validar seus produtos. 
Obra em andamento na Avenida Paraná, entre a BR 277 e a Avenida Araucária. Foto: Rubens Fraulini - Itaipu Binacional.
Diversas iniciativas na região, como aplicação de recursos em segurança, iluminação e diversidade da recreação esportiva, vão melhorar a infraestrutura e elevar a qualidade de vida no bairro, que ainda vai integrar o projeto Cidade Inteligente – uma parceria entre a Itaipu, o Parque Tecnológico Itaipu e a Prefeitura. Com 4.800 metros de extensão, a ciclovia vai circundar o trecho entre a BR-277 e as avenidas Garibaldi, Andradina e Paraná. A obra inclui ainda a construção de calçadas, drenagens, espaço para prática de caminhadas e iluminação complementar. O contrato de R$ 8,4 milhões é financiado pela Itaipu. 50% da obra já está concluída. Em breve o local deverá se tornar um novo ponto de lazer e prática de atividades físicas, para ciclistas e pedestres. A área é próxima ao Mercado Municipal, em construção, e ao Gramadão, que passará por uma total revitalização. 
Ciclovia: calçamento e paisagismo transformam Vila A num parque à céu aberto. Foto: Sara Cheida - Itaipu Binacional
Também na Vila A, na Avenida Tancredo Neves, as obras de contenções, aterros e instalação de calçadas em paver também estão em bom andamento. A primeira fase já foi concluída, e a segunda fase está acelerada. Todas essas iniciativas da Itaipu, com recursos de mais de R$ 900 milhões, em diferentes frentes, integram o Programa Acelera Foz, que reúne oito entidades parceiras para a retomada da economia da cidade. A Diretoria de Coordenação da Itaipu é a responsável pela gestão direta da maioria das obras. 
Paralelamente à ciclovia e também à aquisição de terrenos, a Itaipu está fazendo o plantio de 2.700 mudas em uma área degradada na entrada da Vila A, para compensar o corte de árvores exigido para a criação de uma ciclovia. O trabalho de compensação florestal também já teve início no final do mês passado. 

Todos os investimentos da Itaipu mostram o comprometimento da atual gestão da empresa com o município, onde está localizada a usina. O trabalho é feito em consonância com as diretrizes do governo federal. 

Para o diretor-geral brasileiro, general Joaquim Silva e Luna, essa é mais obra que gera legado para Foz do Iguaçu, que no dia 10 de junho completa 106 anos. “Mais que uma opção de lazer para a comunidade, ela representa um grande salto de qualidade para quem vive e frequenta o local.”
“O Parque Tecnológico tem o propósito de disponibilizar à sociedade tecnologias que proporcionem uma melhor qualidade de vida aos cidadãos. Essa é a base deste projeto, que visa também incentivar o empreendedorismo, com a possibilidade da testagem e validação de inovações”, afirma o diretor superintendente do PTI, general Eduardo Garrido. Foto: Rubens Fraulini - Itaipu Binacional

De acordo com o prefeito de Foz do Iguaçu, Chico Brasileiro, a parceria vai permitir que o Parque Tecnológico contribua com o processo de aceleração do desenvolvimento da cidade por meio do seu potencial humano, tecnológico e visão estratégica. "Esse protocolo vem concretizar ações para fomentar o desenvolvimento tecnológico e da inovação em Foz do Iguaçu", afirma. 

Atração de empresas

Assinatura do Protocolo que oficializou a parceria. Foto: Kiko Sierich - PTI 
A parceria entre o PTI e a Prefeitura também prevê um espaço no Distrito Industrial de Foz do Iguaçu para empresas de base tecnológica, que converge com a intenção do Programa Acelera Foz, lançado na última semana, de atrair empreendedores para a cidade. O objetivo é oferecer aos empresários condições diferenciadas para instalação. O protocolo possibilita ainda a atuação do Parque Tecnológico junto com a Prefeitura na implementação do Centro Municipal de Inovação, que vai abrigar startups.

Atividades Pedagógicas
Outro trabalho que será desenvolvido entre o Parque Tecnológico e a Prefeitura de Foz é na área da educação. O PTI vai ofertar aos alunos da rede pública municipal atendimentos pedagógicos em temas como tecnologia, inovação e empreendedorismo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amigas de Das Graças promovem rifa de jóias em apoio ao trabalho e memória da colunista social e fotógrafa

Tudo começou ainda durante a pandemia. Com os trabalhos do filho Marco Antonio pautados em eventos e turismo, as dificuldades claro bateram na porta, e além da venda de um dos automóveis que a família tinha, algo mais precisava ser feito para quitar os compromissos e dívidas inerentes de um ano praticamente sem trabalho, em casa, Das Graças e seu filho Marco. Este grupo de amigas conta que mesmo em vida, Das Graças pensava em usar as joias para ajudar nas despesas domésticas e de saúde. No entanto, a saúde da colunista se agravou e sobreveio o internamento e a cirurgia.  Pensando em se desfazer de alguma forma de peças de joias que tinha enquanto presente nas festas de nossa sociedade, Das Graças acionou sua estimada amiga, Sílvia Rodrigues, para que a ajudasse na empreitada, o que foi de pronto atendida.  As joias -  As três peças que serão rifadas, eram relíquias da família  que ela ostentava nas grandes festas da sociedade que participava, ao longo da gloriosa carreira de colunismo

COLUNA SOCIAL Foz em Destaque - Edição CLXXX

DESTAQUE DO DIA

Postagens COLUNA SOCIAL - Edição CXCI

DESTAQUE DO DIA