Pular para o conteúdo principal

USINA DE ITAIPU COMEMORA 46 ANOS DA SUA CRIAÇÃO E RECONFIGURA O DESENVOLVIMENTO DO OESTE DO PARANÁ


Importante no passado, a binacional é hoje imprescindível para a região onde está inserida. Com investimentos vultosos em obras de infraestrutura, a usina e parceiros prepararam a cidade para uma nova etapa.
São investimentos vultosos para possibilitar “um legado para as futuras gerações”, diz o diretor-geral brasileiro de Itaipu, general Joaquim Silva e Luna. Segundo ele, “um legado não se começa de um dia para outro, mas pode ser aperfeiçoado, quando ouvimos o que a nossa gente, que tanto contribuiu para a construção da usina, quer de retorno”. Foto Nilton Rolin/Itaipu Binacional.

Criada por decisão político-diplomática, em 17 de maio de 1974, a usina de Itaipu uniu brasileiros e paraguaios num único propósito: dispor de energia elétrica para impulsionar o crescimento dos dois países. A construção da hidrelétrica, ao mesmo tempo em que resolveu antigos litígios de terras, possibilitou um novo ciclo de desenvolvimento para a região de fronteira. Hoje, 46 anos depois, a usina devolve para a população do seu entorno infraestrutura para um novo salto de desenvolvimento.
Usina de Itaipu. Foto Alexandre MarchettiItaipu Binacional.
Só depois de dez anos – com a usina já construída e as primeiras unidades geradoras instaladas – a Itaipu começou a fornecer energia. Em 5 de maio de 1984 entrava em operação a primeiras unidade geradora (atualmente, são 20 no total) daquela que seria então a maior produtora de energia elétrica do mundo. Hoje, aos 36 anos de operação, a usina de Itaipu, mais do que cumprir sua atividade-fim de garantir energia limpa e renovável para o desenvolvimento do Brasil e do Paraguai, assume um papel imprescindível na transformação da Foz do Iguaçu e a região.

A usina investiu quase R$ 1 bilhão em obras estruturantes para preparar a cidade para os desafios que virão. Recursos economizados graças a uma reestruturação administrativa iniciada na posse de Silva e Luna, em fevereiro de 2019. Mapeados e identificados os principais problemas e gargalos de Foz, o diretor definiu com a equipe um planejamento estratégico para iniciar mudanças internas e propor soluções para a cidade e região, contribuindo para o desenvolvimento de todo o Estado.
Ampliação da pista de pouso e decolagem do Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu. 
Foto Sara Cheida/Itaipu Binacional.
Com isso, a cidade vem sendo dotada de nova infraestrutura, com a construção de mais uma ponte entre Brasil e Paraguai, melhorias no aeroporto para torna-lo capaz de receber voos de grande porte, construção do Mercado Municipal, modernização e ampliação do hospital criado e mantido pela empresa, que atende pelo SUS, duplicação da BR-469, rodovia estratégica para a mobilidade rodoviária da cidade, entre outras.

Pouco a pouco, uma nova Foz do Iguaçu vai surgindo. “É o legado de cada megawatt-hora produzido que chega à casa das pessoas e movimenta indústrias e comércio transformado em riqueza e prosperidade”, diz Silva e Luna.
Construção da Ponte da Integração Brasil-Paraguai. Foto Rubens FrauliniItaipu Binacional.
Agora a usina entra numa nova onda de investimentos. Ancorado pelo Parque Tecnológico Itaipu (PTI), o Programa Acelera Foz, com sete eixos e oito parceiros, pretende criar todas as condições para atrair novos investimentos à cidade. 

Para isso, a Itaipu e PTI estão dotando Foz de tecnologia, inovação, inteligência artificial e melhoria no turismo. “É a união de várias frentes para colocar Foz num novo ritmo. É Itaipu pisando fundo no acelerador, celebrando mais um aniversário e cuidando cada vez mais da nossa gente”, finaliza o general. 

Postagens mais visitadas deste blog

Amigas de Das Graças promovem rifa de jóias em apoio ao trabalho e memória da colunista social e fotógrafa

Tudo começou ainda durante a pandemia. Com os trabalhos do filho Marco Antonio pautados em eventos e turismo, as dificuldades claro bateram na porta, e além da venda de um dos automóveis que a família tinha, algo mais precisava ser feito para quitar os compromissos e dívidas inerentes de um ano praticamente sem trabalho, em casa, Das Graças e seu filho Marco. Este grupo de amigas conta que mesmo em vida, Das Graças pensava em usar as joias para ajudar nas despesas domésticas e de saúde. No entanto, a saúde da colunista se agravou e sobreveio o internamento e a cirurgia.  Pensando em se desfazer de alguma forma de peças de joias que tinha enquanto presente nas festas de nossa sociedade, Das Graças acionou sua estimada amiga, Sílvia Rodrigues, para que a ajudasse na empreitada, o que foi de pronto atendida.  As joias -  As três peças que serão rifadas, eram relíquias da família  que ela ostentava nas grandes festas da sociedade que participava, ao longo da gloriosa carreira de colunismo

COLUNA SOCIAL Foz em Destaque - Edição CLXXX

DESTAQUE DO DIA

Postagens COLUNA SOCIAL - Edição CXCI

DESTAQUE DO DIA