Pular para o conteúdo principal

42 ANOS DAS LOJAS O DOIDÃO: MARISA AMARI E FAMÍLIA ESCREVEM SEUS NOMES NO ROL DO EMPRESARIADO DE SUCESSO

 

Quatro décadas de experiência em confecções e artigos para a casa

Marisa Amari, proprietária e administradora-geral: “Não pensamos apenas em nossa empresa, mas na cidade” – Foto: Kiko Seirich

Garantir espaço no concorrido meio comercial é uma conquista que enche de orgulho todos os empreendedores. Permanecer no mercado por 42 anos, com a capacidade de surpreender a clientela, é um desafio que poucos conseguem alcançar. Em atividade desde 1979, as lojas O Doidão são exemplos dessa trajetória de sucesso.

A primeira loja de departamentos do grupo foi criada pelos irmãos Ramez Georges Amari e Assad Georges Amari. Nessa época, a família transferiu para Foz do Iguaçu a experiência em confecções acumulada em anos de atividades comerciais mantidas no norte paranaense, principalmente na cidade de Maringá.

A loja começou pequena, na esquina da Avenida Brasil com a Rua Quintino Bocaiúva, relembra a empresária Marisa Amari, proprietária e administradora-geral da empresa. 


“Ficava no número 998, e a gente brincava que era a ‘Doidinho’, porque era pequena. A empresa foi aberta pela família de meu marido, Luiz Alberto, que foi quem a desenvolveu”, relata.

Atualmente são quatro lojas, três filiais na Vila Portes e a matriz no centro da cidade, na Avenida Brasil. Marisa explica que a empresa sempre se manteve no ramo de confecções, fazendo apenas ajustes internos. 

“Todas as lojas vendem roupas, cama, mesa e banho. Mas umas concentram maior força em tecidos, outras em decoração”, revela.

Ambiente protegido
E a preocupação não só com os clientes, mas também como os funcionários, tem sido o norte do trabalho do Grupo O Doidão durante toda esta pandemia. Buscando estar sempre acompanhando as experiências adquiridas por todo a cadeia varejista no mundo, o grupo investe sempre em insumos e técnicas para garantir a saúde de todos. Assim, é obrigatório o uso de máscara e a loja disponibiliza álcool em gel para todos. Além disto, o atendimento acontece com um limite de até 1/3 da capacidade normal E finalmente, constantes conversas são mantidas com os colaboradores, quando são repassados procedimentos, legislação e cuidados necessários para que o atendimento possa fluir de maneira segura.

Diferencial
Ao sucesso das lojas O Doidão. Marisa Amari atribui à combinação de bons preços, qualidade dos produtos e atendimento diferenciado. A empresária conta que para manter o mix de produtos empre atual e com preços competitivos, está sempre em contato com bons fornecedores e não raro, viaja por todo o Brasil para participar em feiras de confecções e também manter contato direto com as fábricas. Com isso consegue oferecer aos clientes lançamentos e tendências das melhores marcas a preços mais acessíveis,  e isto é claro pesa bastante para o cliente definir onde vai comprar..

Mantido sob a gestão familiar, o grupo aposta no trabalho em equipe e na qualificação dos colaboradores. A preocupação com a cidade também faz parte da cultura da organização. 

Momentos de gravação do clipe trazendo as últimas novidades das lojas O Doidão...

“Não pensamos apenas em nossa empresa, mas na cidade. Todo o nosso investimento é em Foz do Iguaçu. Se a cidade vai bem, isso é bom para nossas empresas também”, enfatiza Marisa Amari.

A loja O Doidão da Avenida Brasil possui 1.050 m², oferece seções completas de roupas masculinas, femininas e infantis. 

Serviço
Lojas O Doidão (matriz)
Avenida Brasil, 987, Centro
Telefone: (45) 3523-6161
E-mail: atendimento@doidao.com.br

Fonte deste conteúdo: Portal da ACIFI

Postagens mais visitadas deste blog

Amigas de Das Graças promovem rifa de jóias em apoio ao trabalho e memória da colunista social e fotógrafa

Tudo começou ainda durante a pandemia. Com os trabalhos do filho Marco Antonio pautados em eventos e turismo, as dificuldades claro bateram na porta, e além da venda de um dos automóveis que a família tinha, algo mais precisava ser feito para quitar os compromissos e dívidas inerentes de um ano praticamente sem trabalho, em casa, Das Graças e seu filho Marco. Este grupo de amigas conta que mesmo em vida, Das Graças pensava em usar as joias para ajudar nas despesas domésticas e de saúde. No entanto, a saúde da colunista se agravou e sobreveio o internamento e a cirurgia.  Pensando em se desfazer de alguma forma de peças de joias que tinha enquanto presente nas festas de nossa sociedade, Das Graças acionou sua estimada amiga, Sílvia Rodrigues, para que a ajudasse na empreitada, o que foi de pronto atendida.  As joias -  As três peças que serão rifadas, eram relíquias da família  que ela ostentava nas grandes festas da sociedade que participava, ao longo da gloriosa carreira de colunismo

COLUNA SOCIAL Foz em Destaque - Edição CLXXX

DESTAQUE DO DIA

Postagens COLUNA SOCIAL - Edição CXCI

DESTAQUE DO DIA