Pular para o conteúdo principal

PROCURA-SE FUNCIONÁRIOS: OBRAS DA PERIMETRAL LESTE ABREM VAGAS DE TRABALHO PARA A REGIÃO

Início da montagem do Canteiro de obras da Perimetral Leste abre vagas na construção civil
Obra, financiada pela margem brasileira de Itaipu, vai ajudar a desviar trânsito pesado das áreas central e turística da cidade.


Uma das mais importantes obras estruturantes financiadas pela margem brasileira da usina de Itaipu, a Perimetral Leste, já está com o canteiro de obras em fase de montagem. O empreendimento vai gerar, numa primeira etapa, cerca de 40 empregos diretos, que se somam aos quase mil indiretos nas obras da segunda ponte sobre o Rio Paraná, entre Foz do Iguaçu e Presidente Franco, no Paraguai.

No final do ano passado, o consórcio vencedor da licitação, composto pela Construtora JL e Planaterra, iniciou o recrutamento dos trabalhadores para as obras da Perimetral Leste, que se iniciam já no começo dste ano. A seleção está sendo feita pela Agência do Trabalhador de Foz do Iguaçu. As vagas são para pedreiros, carpinteiros, eletricistas e operadores de máquinas, entre outros.

Assim como a construção da Ponte da Integração Brasil-Paraguai, com custo de R$ 323 milhões, a usina de Itaipu também financia a Perimetral Leste, com aporte de mais R$ 140 milhões. A perimetral fará a ligação entre a nova ponte e a BR-277, desviando o tráfego de caminhões pesados das avenidas turísticas e centrais de Foz do Iguaçu.

A conclusão da Perimetral Leste deve ocorrer em meados do ano de 2022, coincidindo com a entrega da Ponte da Integração. 

“A nova ponte e a perimetral vão resolver um problema logístico, com impactos positivos também para o turismo, que é a vocação natural de Foz do Iguaçu", comenta o diretor-geral brasileiro de Itaipu, general Joaquim Silva e Luna. E complementa: "essas e outras obras financiadas por Itaipu estão abrindo frentes de trabalho numa época difícil. Em tempos de pandemia, é a chance de ouro pra muita gente. Ficamos felizes em poder ajudar. É o presente de Natal e Ano Novo que muitos esperavam".  Foto: Kiko_Sierich - Assessoria Itaipu/PTI 

O contorno terá 15 quilômetros de extensão, entre a margem brasileira da Ponte da Integração e a BR-277. O projeto preliminar prevê um trevo na BR-469 (a Rodovia das Cataratas, que será duplicada) e outro na BR-277. Haverá, ainda, uma rotatória alongada próxima ao presídio e duas travessias em desnível, na avenida Felipe wandsheer e na avenida República Argentina. Por ali vão passar, além de caminhões, carros, ônibus e motos.

Cada estrutura completa dos trevos será dotada de quatro alças giratórias que permitirão o acesso e saída de cada pista e em todos os sentidos do entroncamento rodoviário. A estrutura no acesso à Argentina terá duas alças giratórias.

As estruturas pretendem viabilizar o fluxo de veículos na Rodovia das Cataratas, nos cruzamentos da Rua Maria Bubiak com as avenidas República Argentina e Felipe Wandscheer, e na Rua Pavão, no acesso aos presídios da região do bairro Três Lagoas.

O DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) é o órgão responsável pela supervisão do empreendimento, gerenciado pelo governo do estado do Paraná por meio do DER (Departamento de Estradas de Rodagem).


Desvio

Foto: Kiko_Sierich - Assessoria Itaipu/PTI 

Com a Ponte da Integração pronta, o tráfego de caminhões será restrito na Ponte da Amizade. Os caminhões, hoje, representam um transtorno para o trânsito de Ciudad del Este, que proibiu a passagem destes veículos durante o dia.

Em Presidente Franco não haverá este problema, já que, como no lado brasileiro, haverá uma perimetral que desviará o tráfego proveniente da ponte para fora da área central.


Cronograma
A execução de todas as obras previstas no projeto da Perimetral Leste, incluindo as aduanas Brasil-Paraguai e Brasil-Argentina, será feita no prazo de 545 dias.

A atual aduana na fronteira com a Argentina será demolida. 

A reivindicação de construção de uma perimetral para desviar o tráfego pesado da área central e turística de Foz do Iguaçu é antiga. Mas, na época, pensava-se apenas nos caminhões que circulam entre o Brasil e a Argentina, que atravessam o corredor turístico e depois passam por avenidas importantes da área central para chegar à BR-277.

O acesso à nova aduana será feito por um viaduto a ser construído, ligando a Ponte da Integração à Perimetral Leste.

Com a construção da Ponte da Integração, além de atender o tráfego de veículos pesados que vão e vêm da Argentina, será possível retirar esses veículos de todo o trecho urbano da BR-277. A Ponte da Amizade ficará exclusiva para o tráfego de veículos menores, o que inclui carros, motos, ônibus e caminhões leves que fazem o transporte de mercadorias entre Foz e Ciudad del Este.


Margem brasileira da usina não parou um só momento de investir em Foz e região e isso se traduziu em empregos pra muita gente.

Fotos: Rubens Fraulini, Alexandre Marchetti e Patrícia Iunovich

Em uma época marcada pela pandemia da covid-19 e, por consequência, muitas incertezas, o investimento de mais de R$ 1,4 bilhão da margem brasileira de Itaipu Binacional,  o maior pacote de obras já visto em Foz do Iguaçu e região, tem hoje um apelo ainda mais importante: geração de emprego.

São mais de 30 projetos em diversos segmentos, que movimentam a economia, geram empregos e ficarão como legado para as futuras gerações. As obras também têm sido fundamentais para a superação da crise provocada pela pandemia de covid-19.

Juntas, as obras estruturantes da margem brasileira da usina movimentam 1.400 empregos diretos e outros mil que serão criados no início da operação desses empreendimentos, como a segunda ponte, a Perimetral Leste, o Mercado Municipal, a reforma da Delegacia da Mulher e melhorias e ampliação do aeroporto, entre outras.

Isso sem contar convênios nas áreas socioambientais, como auxílio eventual e parcerias com o governo do Estado para a contratação de 800 bolsistas no combate à covid-19 em todo o Paraná e em investimentos em mais de 30 entidades assistenciais que estavam na iminência de fechar as portas em função do novo coronavírus.

 “É o perfil de uma empresa pública que se importa com a população e sabe o valor de abrir frentes de trabalho num momento no qual muitas outras estavam demitindo. Na Itaipu, fizemos uma grande força-tarefa com esse pensamento, para que tudo volte o mais rapidamente possível à normalidade”, diz o diretor-geral brasileiro de Itaipu, general Joaquim Silva e Luna. E acrescenta: “Nossa usina está instalada em Foz e essa é uma contrapartida que damos à nossa gente”. 
Foto: Rubens Fraulini - Assessoria Itaipu Binacional


Neste ano, em função da covid-19, o setor de serviço, principalmente o turismo, e o comércio desempregaram mais de 5 mil pessoas. Aos poucos, com a campanha Vem Pra Foz, promovida por Itaipu e parceiros, essas atividades estão sendo retomadas. Silva e Luna lembra que, quando se prospecta uma obra ou uma iniciativa, já se pensa no fim dela e todo o benefício gerado. “Além do legado, a preocupação é com o bem-estar de quem aqui vive ou visita nossa cidade e região”.


A reestruturação da empresa, com o reordenamento de recursos, foi implantada pela gestão Silva e Luna, assim que o diretor assumiu o cargo, em fevereiro de 2019. Com foco na austeridade, as ações estão alinhadas com as diretrizes dadas pelo governo do presidente Jair Bolsonaro e em consonância com os princípios constitucionais da boa administração pública: legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência.


"A mudança na gestão gerou economias e decidimos que esses recursos seriam investidos na região, em obras estruturantes e em projetos que farão a diferença na vida do cidadão", afirmou Silva e Luna. Segundo ele, "empregar recursos públicos é uma arte que exige transparência, responsabilidade, planejamento, metas, prazos e acompanhamento". E, acima de tudo, entregas. "Ninguém inaugura mais promessas."

O principal empreendimento, a Ponte da Integração Brasil-Paraguai, sobre o Rio Paraná, entre Foz do Iguaçu e Presidente Franco, já está com quase 50% das obras concluídas. A estrutura é um antigo sonho da comunidade. Ali foram aportados R$ 463 milhões, considerando a estrutura, desapropriações e a construção de uma perimetral no lado brasileiro, que começou a recrutar 40 operários e iniciou a montagem do canteiro de obras. Nela serão investidos R$ 140 milhões. Em 2020, a segunda ponte, só para se ter um exemplo, gerou mais de 545 empregos diretos nas margens brasileira e paraguaia. Indiretamente são mais de mil.

As obras no Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu também seguem em ritmo acelerado. Os investimentos de aproximadamente R$ 70 milhões incluem a ampliação da pista de pouso e decolagem (que passará de 2.195m para 2.795m), a expansão do pátio de manobras e a duplicação da via de acesso ao terminal. As melhorias permitirão a operação de aeronaves de grande porte e a abertura de novas conexões, inclusive internacionais.

Outra obra importante e reivindicada pela comunidade é a duplicação da BR-469, a Rodovia das Cataratas, principal corredor turístico de Foz do Iguaçu. 

A rodovia de 8,7 quilômetros de extensão conecta a cidade ao trevo de acesso à Argentina, ao Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu e ao Parque Nacional do Iguaçu. O custo previsto é de R$ 139,4 milhões.

O último pacote de obras financiado pela binacional foi anunciado em novembro pelo próprio presidente Jair Bolsonaro, em viagem ao Paraná, e inclui a conclusão da futura Estrada Boiadeira (BR-487).

A ação de Itaipu alcança municípios da região Oeste, com projetos em Cascavel, Guaíra, Santa Helena e Ramilândia, entre outros. O último pacote de obras financiado pela binacional foi anunciado em novembro pelo próprio presidente Jair Bolsonaro, em viagem ao Paraná, e inclui a conclusão da futura Estrada Boiadeira (BR-487); a supervisão, implantação e pavimentação da Rodovia BR-163 (contorno de Guaíra); a execução das obras de adequação na Rodovia BR-163 (contorno Oeste de Cascavel); e a revitalização da Ponte Ayrton Senna, em Guaíra.

Postagens mais visitadas deste blog

Amigas de Das Graças promovem rifa de jóias em apoio ao trabalho e memória da colunista social e fotógrafa

Tudo começou ainda durante a pandemia. Com os trabalhos do filho Marco Antonio pautados em eventos e turismo, as dificuldades claro bateram na porta, e além da venda de um dos automóveis que a família tinha, algo mais precisava ser feito para quitar os compromissos e dívidas inerentes de um ano praticamente sem trabalho, em casa, Das Graças e seu filho Marco. Este grupo de amigas conta que mesmo em vida, Das Graças pensava em usar as joias para ajudar nas despesas domésticas e de saúde. No entanto, a saúde da colunista se agravou e sobreveio o internamento e a cirurgia.  Pensando em se desfazer de alguma forma de peças de joias que tinha enquanto presente nas festas de nossa sociedade, Das Graças acionou sua estimada amiga, Sílvia Rodrigues, para que a ajudasse na empreitada, o que foi de pronto atendida.  As joias -  As três peças que serão rifadas, eram relíquias da família  que ela ostentava nas grandes festas da sociedade que participava, ao longo da gloriosa carreira de colunismo

COLUNA SOCIAL Foz em Destaque - Edição CLXXX

DESTAQUE DO DIA

Postagens COLUNA SOCIAL - Edição CXCI

DESTAQUE DO DIA