Pular para o conteúdo principal

OLIMPÍADAS EM TÓQUIO: CONHEÇA OS HERÓIS DO BRASIL

Atualmente, o Brasil está na 17º posição no quadro de medalhas, totalizando 7 medalhas sendo uma de ouro, três de prata e três de bronze. Uma das medalhas de prata foi conquistada por Rayssa Leal que representa o Brasil no Skate feminino. A atleta tem apenas 13 anos e atualmente é a atleta mais jovem a conquistar uma medalha para o Brasil nas Olimpíadas.

Skate 1
Uma das medalhas de prata foi conquistada por Rayssa Leal, que representa a cidade de Imperatriz, no Maranhão.


O Brasil levou uma medalha de prata graças a Rayssa Leal!

 
Com só 13 anos, é a atleta mais jovem a ganhar uma medalha para o Brasil. Fez sucesso pela sua habilidade e jeitinho de ser.


Com a soma de 14,64 em suas quatro melhores notas, ela foi superada apenas pela japonesa Momiji Nishiya, que teve 15,26 e ficou com o ouro.


No início da disputa final, nas duas voltas, Rayssa somou 2,94 e 3,13 e terminou na segunda posição, atrás apenas da holandesa Roos Zwetsloot, com 7,14.


Nas manobras, a jovem zerou na primeira, depois conquistou 3,91, 4,21, 3,39 e chegou a assumir a liderança da disputa, antes de ser ultrapassada por Nishiya.


Além da jovem, acompanhe outros atletas que conquistaram medalhas ao longo das competições:

Skate 2
Na madrugada do último domingo , o paulista Kelvin Hoefler conquistou a prata no skate masculino ao somar 36,15 na grande final


No skate, Kelvin Hoefler conquistou a primeira medalha do Brasil nas Olimpíadas 2020.


O skatista fez uma grande performance e levou a prata na primeira final da história do skate em Jogos Olímpicos.



...ficando atrás apenas do japonês Yuto Horigomi, que somou 37,18. Kelvin liderou a bateria durante a primeira metade, viu Horigomi passar à frente nas manobras individuais e conquistou de forma perfeita, com sua melhor nota, para garantir a prata.


Kelvin Hoefler e a CBSk não se seguem nas redes sociais. 


Neste domingo, a organização, ao comemorar a medalha de prata do paulista, não o marcou na publicação.


Segundo Letícia Bufoni, Kelvin teria bloqueado o perfil da entidade brasileira


Judô
O judô brasileiro finalmente sobe ao pódio nos Jogos Olímpicos de Tóquio, e seu representante é o judoca Daniel Cargnin, na categoria até 66 kg.

Na manhã deste domingo o bicampeão Pan-Americano ganhou a medalha de bronze após 5 lutas difíceis

Valendo a vaga na semifinal o brasileiro já começou a luta agressivo contra o italiano Daniel Lombardo. 

Daniel se defendeu bem e preparou o terreno para a vitória com duas tentativas de golpes focados no Ashi waza.

Na primeira luta o egípcio Mohamed Abdelmawgoud tentou uma técnica de sacrifício.


Mas que ele conseguiu dominar com técnica apurada e golpes nos momentos certos.


Mas finalizou com Ippon seoi nage, vencendo com a pontuação completa.


Com vitória sobre o egípcio por ippon, o judoca enfrentou o Denis Vieru, da Moldávia.

v
Mas dessa vez o oponente foi mais difícil de se vencer, a luta teve que ir para o Golden Score.



Ouro no Surf
O Brasil conquistou seu primeiro ouro nos Jogos Olímpicos de Tóquio no dia 27 de julho. A medalha dourada brasileira veio no surfe graças ao potiguar Ítalo Ferreira, que garantiu o primeiro ouro da história da modalidade em Olimpíadas.

Ítalo Ferreira . O atleta tem 27 anos. Ele é natural de do Rio Grande do Norte.Ítalo Ferreira é o primeiro campeão olímpico da história do surfe.

O brasileiro alcançou o feito na madrugada desta terça-feira e levou a medalha de ouro.

Ítalo Ferreira é o primeiro campeão olímpico da história do surfe.

A conquista faz Ítalo se consolidar como um dos grandes nomes da história do surfe na atualidade.

Além de ser o primeiro medalhista olímpico de ouro da modalidade, também é o último campeão mundial, em conquista assegurada em 2019.

Gabriel Medina, outro brasileiro candidato ao pódio, ficou sem medalha depois de perder para Igarashi na semifinal e para o australiano Owen Wright na disputa pelo bronze.


Natação
O brasileiro Fernando Scheffer conquistou a primeira medalha do Brasil na natação dos Jogos Olímpicos de Tóquio

O atleta é gaúcho e tem apenas 23 anos.


O melhor tempo dele na prova era de 1:45:10, mas nesta segunda-feira ele conseguiu 1:44:66.


Scheffer tinha se classificado para a final com o 8º melhor tempo, mas fez uma prova consistente.


Esteve sempre entre os primeiros e arrancou bem nos últimos 50 metros para ganhar a medalha olímpica.



Judô 2

A judoca gaúcha Mayra Aguiar conquistou a medalha de bronze na madrugada desta quinta-feira (29) e se tornou a primeira brasileira a subir três vezes ao pódio em esportes individuais. (Foto © ReutersSergio PerezDireitos Reservados)


Ela repetiu seu desempenho em Londres 2012 e na Rio 2016 e garantiu uma nova conquista ao esporte do país. Com isso, o Brasil ganhou até o momento desta publicação sete medalhas no total nas Olimpíadas 2021.


Ginástica Olímpica


Ainda nesta quinta-feira (29), a ginasta Rebeca Andrade conquistou a medalha de prata nos Jogos Olímpicos de Tóquio, no individual geral. Rebeca é a primeira mulher ginasta brasileira a ganhar uma medalha nos Jogos Olímpicos.

A Foz em Destaque parabeniza todos os atletas brasileiros que ganharam seu tão merecido lugar no pódio, a todos os atletas que se esforçaram e fizeram seu nome em Tóquio e também todos os atletas que ainda vão mostrar sua força e garra brasileira!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COLUNA SOCIAL Foz em Destaque - Edição CXXIX

    DESTAQUE DO DIA

ALCEU VEZOZZO, fundador da Rede Bourbon, homenageado pela Associação Comercial do Paraná

O fundador da Rede Bourbon, Alceu Ântimo Vezozzo, recebeu a homenagem Cidadania ACP, da Associação Comercial do Paraná. O prêmio é concedido para cidadãos de reconhecida importância na sociedade paranaense e nacional. (Evento acontecido em Nov/2019) Premio - Homenagem ACP - Foto Jader Rocha Em seu discurso o presidente da ACP, Gláucio Geara, enalteceu as conquistas de Vezozzo na hotelaria e na ação social que desenvolve na cidade de Cambará, com o Instituto Bourbon.  Ao receber a homenagem o fundador da Rede Bourbon agradeceu a família e a Deus por todas as conquistas e enfatizou a importância de fazer o bem em todas as áreas da sociedade. “Fazer o bem através da hotelaria, através do Instituto Bourbon, através da escola, fazer o bem seja ele onde for”, finalizou o fundador. A família Vezozzo prestigiou seu patriarca nesta noite tão importante. Assinatura Homenagem  Abraço Alceu e Laila Vezozzo - Foto Jader Rocha  Alceu Vezozzo, Ana Amélia Filizola e Glau

COLUNA SOCIAL - Edição CCCXII

D E S T A Q U E