Pular para o conteúdo principal

REFERÊNCIA INTERNACIONAL: TRATADO DE ITAIPU COMPLETA 47 ANOS

A “engenharia diplomática” garantiu tratamento equânime entre dois países independentes e solucionou questões de fronteira que perduravam há mais de um século.
Os diretores-gerais de Itaipu Binacional, Joaquim Silva e Luna (Brasil) e Ernst Ferdinand Bergen Schmidt (Paraguai), levando adiante um tratado que que completa 47 anos e une Brasil e Paraguai como uma só força de desenvolvimento.

A lei que rege a Itaipu Binacional completa 47 anos neste domingo, dia 26 de abril. Assinado em 1973, o Tratado de Itaipu é considerado uma referência em acordos binacionais, por ter viabilizado a construção da maior geradora de energia do planeta, a usina de Itaipu, empreendimento que pertence igualmente ao Brasil e ao Paraguai.
Assinado pelos então presidentes Emílio Garrastazu Médici (Brasil) e Alfredo Stroessner (Paraguai), o tratado é resultado de vários anos de estudos e entendimentos diplomáticos. Um dos mais importantes foi a Ata do Iguaçu, assinada em 1966, formalizando o interesse dos dois países de estudarem e explorarem conjuntamente o potencial hidrelétrico do Rio Paraná. 
O modelo definido no Tratado teve participação decisiva do jurista Miguel Reale. A “engenharia diplomática” dos representantes dos ministérios das Relações Exteriores garantiu tratamento equânime entre dois países independentes e solucionou questões de fronteira que perduravam desde o fim da Guerra do Paraguai.
Com a proximidade do 50º aniversário, em 2023, aproxima-se também o prazo para a revisão do Anexo C, a parte financeira do acordo. A discussão sobre as novas bases financeiras da sociedade entre Brasil e Paraguai na empresa caberá aos governos dos dois países.

“E é pelo mesmo espírito fraternal da binacionalidade que buscaremos, sempre, o diálogo permanente, caminhando para uma relação cada vez mais profícua entre brasileiros e paraguaios, sócios no empreendimento energético mais bem-sucedido do mundo”, afirmou o diretor-geral brasileiro da usina, general Joaquim Silva e Luna. “Sem esse entrosamento, ao longo de décadas, a Itaipu Binacional não seria o sucesso que é desde o seu projeto.”

Postagens mais visitadas deste blog

Amigas de Das Graças promovem rifa de jóias em apoio ao trabalho e memória da colunista social e fotógrafa

Tudo começou ainda durante a pandemia. Com os trabalhos do filho Marco Antonio pautados em eventos e turismo, as dificuldades claro bateram na porta, e além da venda de um dos automóveis que a família tinha, algo mais precisava ser feito para quitar os compromissos e dívidas inerentes de um ano praticamente sem trabalho, em casa, Das Graças e seu filho Marco. Este grupo de amigas conta que mesmo em vida, Das Graças pensava em usar as joias para ajudar nas despesas domésticas e de saúde. No entanto, a saúde da colunista se agravou e sobreveio o internamento e a cirurgia.  Pensando em se desfazer de alguma forma de peças de joias que tinha enquanto presente nas festas de nossa sociedade, Das Graças acionou sua estimada amiga, Sílvia Rodrigues, para que a ajudasse na empreitada, o que foi de pronto atendida.  As joias -  As três peças que serão rifadas, eram relíquias da família  que ela ostentava nas grandes festas da sociedade que participava, ao longo da gloriosa carreira de colunismo

COLUNA SOCIAL Foz em Destaque - Edição CLXXX

DESTAQUE DO DIA

Postagens COLUNA SOCIAL - Edição CXCI

DESTAQUE DO DIA