Pular para o conteúdo principal

DIRETORIA GERAL BRASILEIRA DA ITAIPU VAI SER ASSUMIDA PELO GENERAL FERREIRA

Ele substitui o general Joaquim Silva e Luna, nesta quarta-feira (7)

Foto: Rubens Fraulini/Itaipu Binacional.

O general João Francisco Ferreira toma posse nesta quarta-feira (7) como novo diretor-geral brasileiro da Itaipu Binacional, em solenidade com a presença do presidente Jair Bolsonaro. Ferreira substituirá o general Joaquim Silva e Luna, que ocupou o cargo por dois anos e um mês e agora deve assumir a presidência da Petrobras, no Rio de Janeiro.
O general Ferreira será o 13º diretor-geral brasileiro em 14 diretorias, já que Euclides Scalco assumiu o posto por duas vezes, entre 1995 e 2002. A transmissão de cargo será no Cineteatro dos Barrageiros, dentro de Itaipu.

Quem é diretor-geral brasileiro de Itaipu?

Foto: Sara Cheida/Itaipu Binacional

O general-de-exército João Francisco Ferreira, nascido em 30 de novembro de 1949 na cidade de Santa Maria, Rio Grande do Sul, incorporou ao Exército no ano de 1966, na Escola Preparatória de Cadetes do Exército, em Campinas, São Paulo.
É bacharel em Ciências Militares pela Academia Militar das Agulhas Negras, onde se formou como oficial de Infantaria no ano de 1972.
No início de sua carreira, serviu no 7º Batalhão de Infantaria Blindado, em sua terra natal, e no 26º Batalhão de Infantaria Paraquedista, no Rio de Janeiro. O general Ferreira é paraquedista militar, mestre de salto paraquedista e possui o curso de salto livre paraquedista. Em 1978, formou- se em Educação Física na Escola de Educação Física do Exército, sediada no Rio de Janeiro.
Em 1981 cursou a Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais. Após o curso foi classificado no 63º Batalhão de Infantaria, na cidade de Florianópolis (SC). Em julho de 1983, foi designado para a Missão Militar Brasileira de Instrução no Paraguai, onde serviu por dois anos como assessor de paraquedismo junto às Forças Armadas da República do Paraguai. De volta ao Brasil, serviu no 29º Batalhão de Infantaria Blindado, em Santa Maria.
Nos anos de 1988 e 1989, cursou a Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, no Rio de Janeiro. Após o curso, voltou a Santa Maria, onde serviu como oficial de estado-maior da 6ª Brigada de Infantaria Blindada. Foi promovido ao posto de tenente-coronel no ano de 1990. Três anos depois, serviu como instrutor na Academia Militar das Agulhas Negras.
Em 1995, assumiu o Comando do 8º Batalhão de Infantaria Motorizado, em Santa Cruz do Sul, Rio Grande do Sul. Durante o comando, foi promovido a coronel. Em janeiro de 1998, foi nomeado oficial do Gabinete do ministro do Exército e, em junho de 1999, adido militar na Embaixada do Brasil no México.
Após seu retorno ao país, foi promovido a general-de-brigada em 2002 e designado comandante da 8ª Brigada de Infantaria Motorizada, sediada em Pelotas, Rio Grande do Sul. No período de 2004 a 2005, comandou a Brigada de Infantaria Paraquedista, no Rio de Janeiro.
Foi promovido a general-de-divisão em 2006 e designado vice-chefe do Estado-Maior de Defesa do Ministério da Defesa. De abril de 2008 a janeiro de 2011, comandou a 6ª Região Militar, em Salvador, Bahia.
Ascendeu ao posto de general-de-exército em 2010, sendo nomeado comandante militar do Oeste, em Campo Grande, Mato Grosso do Sul. Durante seu período de comando, trabalhou na implantação do Sistema de Monitoramento de Fronteiras (SISFRON) nos estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, área sob sua responsabilidade.
Em março de 2014, foi transferido para a reserva remunerada, por ter atingido o tempo máximo de 12 anos nos postos de general e permaneceu residindo na cidade de Campo Grande.
General Ferreira é casado com Tania Solange Ferreira. O casal tem quatro filhos: Luciana, Helena, Luis Felipe e Márcia.

Fonte: Imprensa Itaipu.

Postagens mais visitadas deste blog

Amigas de Das Graças promovem rifa de jóias em apoio ao trabalho e memória da colunista social e fotógrafa

Tudo começou ainda durante a pandemia. Com os trabalhos do filho Marco Antonio pautados em eventos e turismo, as dificuldades claro bateram na porta, e além da venda de um dos automóveis que a família tinha, algo mais precisava ser feito para quitar os compromissos e dívidas inerentes de um ano praticamente sem trabalho, em casa, Das Graças e seu filho Marco. Este grupo de amigas conta que mesmo em vida, Das Graças pensava em usar as joias para ajudar nas despesas domésticas e de saúde. No entanto, a saúde da colunista se agravou e sobreveio o internamento e a cirurgia.  Pensando em se desfazer de alguma forma de peças de joias que tinha enquanto presente nas festas de nossa sociedade, Das Graças acionou sua estimada amiga, Sílvia Rodrigues, para que a ajudasse na empreitada, o que foi de pronto atendida.  As joias -  As três peças que serão rifadas, eram relíquias da família  que ela ostentava nas grandes festas da sociedade que participava, ao longo da gloriosa carreira de colunismo

COLUNA SOCIAL Foz em Destaque - Edição CLXXX

DESTAQUE DO DIA

Postagens COLUNA SOCIAL - Edição CXCI

DESTAQUE DO DIA