Pular para o conteúdo principal

ROTA BIOCEÂNICA: ITAIPU APORTA PARTE DA OBRA QUE VAI MUDAR LOGÍSTICA DO COMÉRCIO PANAMERICANO

Rota Bioceânica: Itaipu vai financiar parte da ligação do Paraná com porto chileno
Para quem trabalha com comércio internacional bem sabe os custos que é fazer o traslado de cargas do Oceano Pacifico para o Atlântico e vice-versa. Precisamos por vezes cruzar o Canal do Panamá, o que onera sempre o preço final da operação. Mas esta necessidade está com os dias contatos, vem aí a Rota Bioceânica
O sonho de ligar os oceanos Atlântico e Pacífico já tem 60 anos e só agora começa a se concretizar. Foto: Rodrigo Félix Leal / AENotícias-PR (Arquivo)

Um convênio entre a Itaipu Binacional, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) e o Governo do Paraná vai garantir a realização de parte de um dos mais sonhados e importantes projetos do Estado. A parceria será responsável pela execução de obras na BR-487, conhecida como Estrada Boiadeira.

Itaipu deverá aportar cerca de R$ 228 milhões para viabilização do empreendimento. Além disso, o Dnit, responsável pela realização do empreendimento até o momento, vai disponibilizar o projeto e supervisionar a execução das obras, que estará a cargo do Governo do Paraná.

Os recursos serão utilizados na implantação, na reparação, na restauração e na pavimentação, além de Obras de Arte Especiais (OAE), em 47 quilômetros da BR-487. O trecho liga os municípios de Icaraíma (Porto Camargo) e Umuarama (Serra dos Dourados), no noroeste do Paraná.


No futuro, a rodovia fará a interligação com o Corredor Bioceânico, uma rodovia de mais de 2,4 mil quilômetros entre Campo Grande (MS) e o Porto de Antofagasta, no Chile, reduzindo em até duas semanas o tempo de viagem das exportações do Centro-Oeste do Brasil até os países do Oriente, principalmente China, Japão e Coreia do Sul.

O diretor-geral brasileiro de Itaipu, general Joaquim Silva e Luna, informou o governador Carlos Massa Ratinho Junior sobre o convênio. “Esse é outro grande marco para o desenvolvimento do Paraná e do Mato Grosso do Sul. É mais uma iniciativa de grande impacto que a empresa adota a favor de nosso Estado e dos nossos vizinhos sul-mato-grossenses", disse o governador.

“Essa sinergia entre Dnit, Itaipu Binacional e o Governo do Paraná criou as condições ideais para entregar, daqui a dois anos, as obras integrantes da nova rota bioceânica”, explicou o diretor-geral do Dnit, general Santos Filho. “Isso vai beneficiar não somente os Estados do Paraná e do Mato Grosso do Sul e mais, além do Brasil, integrará multimodais para o desenvolvimento de toda a América do Sul”, completou.

Foto: Marcelo Uliana - Itaipu Binacional

Estrada Boiadeira
A Estrada Boiadeira ligará o noroeste do Paraná à cidade de Porto Murtinho (MS), ponto de conexão com o corredor bioceânico que unirá os portos brasileiros de Santos (SP) e Paranaguá aos do norte do Chile. A rodovia não está na área de abrangência de Itaipu, mas faz parte da bacia do Rio Ivaí, que desemboca no Rio Paraná e é importante pela sua contribuição ao reservatório da hidrelétrica binacional.

O aporte financeiro de Itaipu para a execução de obras na Estrada Boiadeira está alinhado às diretrizes da gestão do diretor-geral brasileiro, general Joaquim Silva e Luna, que tem conseguido realocar recursos de convênios, ações e patrocínios sem aderência à missão da usina para investimentos em obras estruturantes que deixam legado para a população.

O investimento no Estado e a boa relação institucional com o governo do Paraná estão em consonância com as diretrizes do presidente Jair Bolsonaro em prol do desenvolvimento regional, com ganhos para a região e, consequentemente, para todo o Mercosul.


Aplicação em obras
Os recursos obtidos com a redução de gastos e custos, pela margem brasileira da Itaipu Binacional, já somam mais de R$ 1,2 bilhão, que estão garantindo a construção de obras como a segunda ponte entre Brasil e Paraguai, ligando Foz do Iguaçu a Presidente Franco, com quase 40% da construção concluída; a Perimetral Leste, que ligará a ponte à BR-277; e melhorias no Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu, incluindo a nova pista de pouso e decolagem.

Foto: Rubens Fraulini - Itaipu Binacional

Em Foz do Iguaçu, Itaipu investe também na conclusão do mercado municipal, na revitalização do Gramadão da Vila A e na construção de ciclovias e pistas de caminhadas. Isso sem contar ações e iniciativas de pequeno, médio e grande portes, com melhorias para a população de forma geral. E o mais importante: “Tudo isso com foco na eficiência da gestão e na alta produtividade da atividade fim (geração elétrica), sem aumento da tarifa de energia”, segundo o general Joaquim Silva e Luna.

A atividade fim de Itaipu é atender os sistemas elétrico do Brasil e do Paraguai, com a responsabilidade de pagar royalties para a exploração hidráulica, mas Itaipu tem ido muito além da sua obrigação contratual e missão, em função do respeito do consumidor que paga pela energia na ponta.


O Corredor Bioceânico

Uma das obras mais importantes do futuro Corredor Bioceânico, que vai conectar o Atlântico e o Pacífico, é a futura ponte sobre o Rio Paraguai, que ligará a cidade de Porto Murtinho, no Mato Grosso do Sul, a Porto Peralta, no Paraguai. A ponte terá 680 metros de extensão e está orçada em US$ 75 milhões.

A ligação à ponte, no Mato Grosso do Sul, é a BR-267, já implantada, à qual será ligada a Estrada Boiadeira, no Paraná, permitindo aos produtores dos dois Estados escolher por quais portos enviarão suas exportações – Santos e Paranaguá, no Brasil, ou os portos do Chile, quando o destino for o Oriente ou a Costa Oeste dos Estados Unidos.

No lado paraguaio, estão sendo pavimentados 227 km de rodovias entre Carmelo Peralta, na fronteira com o Brasil, e Loma Plata. Este trecho está previsto para ser entregue até maio de 2022. O governo paraguaio deverá licitar o segundo trecho, de 354 km, provavelmente ainda este ano.


Exportações e importações
A ligação entre o Brasil, o Paraguai, a Argentina e o Chile, com a rota bioceânica, gerará novas oportunidades econômicas. Os produtos chilenos, argentinos e paraguaios poderão entrar no Brasil pelo Mato Grosso do Sul (Porto Murtinho, Corumbá e Ponta Porã), enquanto as mercadorias brasileiras chegarão a países como Coreia, Japão e China via Pacífico, a preços mais competitivos.

O tempo de viagem e o custo do frete serão reduzidos, em relação às exportações pelos portos no Oceano Atlântico, o que significará maior ganho para os exportadores e maior previsibilidade de chegada para os importadores. Além disso, os empresários contarão com portos mais eficientes e menos congestionados, no Chile e no Brasil.

Crédito das fotos: Marcelo Uliana/ Rubens Fraulini - Itaipu Binacional

Postagens mais visitadas deste blog

COLUNA SOCIAL Foz em Destaque - Edição CLXXI

  DESTAQUE DO DIA

Amigas de Das Graças promovem rifa de jóias em apoio ao trabalho e memória da colunista social e fotógrafa

Tudo começou ainda durante a pandemia. Com os trabalhos do filho Marco Antonio pautados em eventos e turismo, as dificuldades claro bateram na porta, e além da venda de um dos automóveis que a família tinha, algo mais precisava ser feito para quitar os compromissos e dívidas inerentes de um ano praticamente sem trabalho, em casa, Das Graças e seu filho Marco. Este grupo de amigas conta que mesmo em vida, Das Graças pensava em usar as joias para ajudar nas despesas domésticas e de saúde. No entanto, a saúde da colunista se agravou e sobreveio o internamento e a cirurgia.  Pensando em se desfazer de alguma forma de peças de joias que tinha enquanto presente nas festas de nossa sociedade, Das Graças acionou sua estimada amiga, Sílvia Rodrigues, para que a ajudasse na empreitada, o que foi de pronto atendida.  As joias -  As três peças que serão rifadas, eram relíquias da família  que ela ostentava nas grandes festas da sociedade que participava, ao longo da gloriosa carreira de colunismo

COLUNA SOCIAL Foz em Destaque - Edição CLXXVIII

DESTAQUE DO DIA Aniversários