Pular para o conteúdo principal

ITAIPU E FURNAS: DGB GENERAL JOAQUIM SILVA E LUNA FAZ SUA 1ª VISITA À SUBESTAÇÃO

Encontro serviu para aproximar equipes de Itaipu e Furnas, que são responsáveis, respectivamente, pela geração e transmissão da energia da usina binacional para o mercado consumidor brasileiro.


O diretor-geral brasileiro da Itaipu, general Joaquim Silva e Luna, e o diretor técnico executivo, Celso Torino, visitaram na manhã desta quarta-feira (11) a subestação de Furnas, em Foz do Iguaçu. O encontro serviu para aproximar ainda mais as equipes das duas empresas da holding Eletrobras. Uma é responsável pela geração de energia e a outra pela transmissão. O trabalho de uma complementa o da outra. 


Itaipu é a maior geradora de energia limpa e renovável do planeta, com mais de 2,7 bilhões de megawatts de produção acumulada e registra inúmeros recordes de geração e produtividade. Mas todo esse desempenho só faz sentido porque essa energia, de fato, chega a quem precisa, como as indústrias e as pessoas. A primeira ligação com esse mercado consumidor, do lado brasileiro, é feita por meio da subestação de Furnas. 


“Esta é a maior subestação do Brasil e uma das maiores do mundo, com um milhão de metros quadrados de área energizada”, informou o gerente de Produção Paraná, Fábio Valentim Dias. O superintendente de Produção Sudeste, Flávio Cesar Guimarães Ávila, complementou: "Trata-se de uma subestação do tipo E1, a categoria mais importante do sistema de Furnas”.

Ambos, que foram os responsáveis por receber a comitiva de Itaipu, deram um panorama geral sobre a empresa e a subestação. Depois das boas-vindas, eles acompanharam o grupo da binacional nas principais áreas – com exceção das salas de controle. Por causa da pandemia da covid-19, a visita ao local está restrita. O acesso é só para os operadores.


Na prática, a subestação de Foz é duas em uma. Em parte, ela funciona como conversora: em corrente contínua, primeiro recebe a energia em 50 hertz da margem paraguaia de Itaipu que, num segundo momento, é convertida para a frequência de 60 hertz do sistema brasileiro. Ela também tem a função de elevadora. A primeira envia a energia por meio de duas linhas de 600 kilovolts (kV); e a segunda, em três linhas de 765 kV.

A operação paranaense de Furnas é responsável pela gestão das subestações de Foz e de Ivaiporã e pelas linhas de transmissão. Elas totalizam 1.909 torres ao longo de 877 km de corrente contínua e 2.971 torres num percurso de 1.375 km de corrente alternada. Para o diretor-geral brasileiro da Itaipu, que esteve pela primeira vez na subestação, o encontro foi bastante positivo para as duas empresas. 

“A Itaipu depende do sistema de transmissão de Furnas para que a energia gerada pela usina chegue ao consumidor. Esse sincronismo é essencial para que a operação tenha começo, meio e fim. Contamos em Furnas com um sistema robusto e muito seguro para que essa transmissão ocorra, tanto na parte de corrente contínua, como na de corrente alternada”, completou o general Silva e Luna.


Da parte de Itaipu, a visita também foi acompanhada pelo coronel Ricardo Bezerra, chefe do gabinete do diretor-geral, do capitão Arceli de Oliveira, assistente do diretor-geral, e pelos engenheiros Marco Aurélio Siqueira Mauro (superintendente de Manutenção) e Rodrigo Pimenta (superintendente de Operação em exercício). Da parte de Furnas, o acompanhamento foi feito pelos gerentes Valdemar Jorge dos Santos (Manutenção Eletromecânica), Andrei Gomes Lopes (Manutenção Eletroeletrônica), e Rodrigo Mendonça (Divisão de Operação de Foz do Iguaçu).

Fonte: Assessoria de Imprensa/Itaipu Binacional
Crédito das fotos: Sara Cheida/Itaipu Binacional.

Postagens mais visitadas deste blog

COLUNA SOCIAL Foz em Destaque - Edição CLXXI

  DESTAQUE DO DIA

Amigas de Das Graças promovem rifa de jóias em apoio ao trabalho e memória da colunista social e fotógrafa

Tudo começou ainda durante a pandemia. Com os trabalhos do filho Marco Antonio pautados em eventos e turismo, as dificuldades claro bateram na porta, e além da venda de um dos automóveis que a família tinha, algo mais precisava ser feito para quitar os compromissos e dívidas inerentes de um ano praticamente sem trabalho, em casa, Das Graças e seu filho Marco. Este grupo de amigas conta que mesmo em vida, Das Graças pensava em usar as joias para ajudar nas despesas domésticas e de saúde. No entanto, a saúde da colunista se agravou e sobreveio o internamento e a cirurgia.  Pensando em se desfazer de alguma forma de peças de joias que tinha enquanto presente nas festas de nossa sociedade, Das Graças acionou sua estimada amiga, Sílvia Rodrigues, para que a ajudasse na empreitada, o que foi de pronto atendida.  As joias -  As três peças que serão rifadas, eram relíquias da família  que ela ostentava nas grandes festas da sociedade que participava, ao longo da gloriosa carreira de colunismo

COLUNA SOCIAL Foz em Destaque - Edição CLXXVIII

DESTAQUE DO DIA Aniversários