Pular para o conteúdo principal

LOJA O DOIDÃO DA VILA PORTES DE FOZ DO IGUAÇU INVESTE EM REESTRUTURAÇÃO

A loja da Vila Portes foi totalmente reformada e apresentada aos clientes e colaboradores em cerimônia de reinauguração festiva

O Grupo Doidão inova e reinaugura a nova loja da Vila Portes, que foi apresentada à  idade com uma cerimônia para autoridades, clientes, vizinhos lojistas e imprensa. O Grupo O Doidão está em Foz do Iguaçu há 40 anos e conta com 04 lojas, gera entre 90 a 120 empregos diretos, conforme a época do ano. Por falar em 40 anos, tradicionalmente o grupo Doidão inova e surpreende os clientes a cada data de comemoração de aniversário. Este ano foi a remodelação de toda a estrutura da loja da Rua Fagundes Varela, com a reforma, que vai desde a parte elétrica, hidráulica, novas paredes, novos móveis, luminárias modernas, vitrines, vestiários e ar refrigerado. “Buscamos sempre dar conforto, aconchego e bem estar aos nossos clientes, oferecendo bons serviços, bons produtos e preços acessíveis.”, destaca o empresário, George Assad Amari.
Autoridades do município e do estado participaram do evento de inauguração
Em Foz do Iguaçu, o Grupo O Doidão possui quatro lojas; na Avenida Brasil, centro da cidade e trabalha com a venda de roupas de todos os tamanhos e de várias marcas. O Doidão da Fagundes Varela também vende confecções, mas agregou tecidos para confecções de roupas.
Na mesma Rua da Vila Portes, tem a Amarisol, que oferece material para decoração, como cortinas, cama, mesa e banho. A quarta loja está na Avenida Carlos Gomes do mesmo bairro, porém é mista; Amarisol e O Doidão trabalhando mesmo endereço. Todas as lojas vendem produtos de qualidade e preços acessíveis, oferecendo roupas para estar sempre elegante e na moda ou decorar a casa sem gastar grandes valores.
Família Amari e autoridades inauguraram oficialmente a loja com o tradicional corte da fita
INVESTIMENTO
A economia do Brasil está oscilante e deixa a grande maioria dos empresários inseguros. O Grupo Doidão andou na contramão dessa conjuntura, fazendo reformas e melhorias nas suas unidades. Para os empresários do grupo, o segredo para enfrentar e investir num momento de crise é ter o pé no chão, diminuir custos e ter a estrutura mais enxuta, principalmente num país, onde sistema aperta os empresários de todos os lados. 
“A economia é um problema grave em nosso País, mas por outro lado, nós trazemos experiências de várias gerações de tios, avôs e dos meus pais; o Seu Luiz Alberto Khalil Amari e Dona Marisa Amari, que já enfrentaram crises absurdas, que estavam tão ou piores que o cenário atual”, aponta George Amari.
A família Amari diz que uma fórmula de sucesso, é investir sempre no que acreditam e ter conhecimento no ramo. “São vários anos vendendo cama, mesa e banho, confecção, tecidos e decorações. Nós investimos, ampliamos, mas sempre com o pé no chão e buscando oferecer o melhor produto”, ressalta George Amari.
Colaboradores da Loja O Doidão
HISTÓRIA
A primeira loja do Grupo Doidão foi aberta em 1979, na Avenida Brasil, na esquina, onde hoje esta localizada a Loja Marisa. Na época, a loja atendia com 10 funcionários. O imóvel pertencia ao pioneiro e o saudoso Idalino Favassa e posteriormente foi adquirido pela família Amari. 
Há 40 anos a família Amari começou a fazer história em Foz do Iguaçu, no entanto, as primeiras lojas do O Doidão começaram no Norte do Paraná, nas décadas de 60 e 70 e atualmente somam 09 ao total, que são; 04 em Foz do Iguaçu, 01 em Cascavel, 01 em Francisco Beltrão, 01 em Arapongas e 02 em Apucarana. “As lojas fora de Foz do Iguaçu são administradas pelos meus tios”, conclui George Amari.
A família Amari trabalhou junto nesse novo desafio. Ao centro, Luiz Alberto Khalil Amaria e Marisa Amari, ladeados pelos filhos George, Marina e Letícia Amari
A nova loja O Doidão foi totalmente reformada para dar mais conforto ao cliente

Mais informações
SILVANA CANAL
WTS: 45 99971 8013

Postagens mais visitadas deste blog

Amigas de Das Graças promovem rifa de jóias em apoio ao trabalho e memória da colunista social e fotógrafa

Tudo começou ainda durante a pandemia. Com os trabalhos do filho Marco Antonio pautados em eventos e turismo, as dificuldades claro bateram na porta, e além da venda de um dos automóveis que a família tinha, algo mais precisava ser feito para quitar os compromissos e dívidas inerentes de um ano praticamente sem trabalho, em casa, Das Graças e seu filho Marco. Este grupo de amigas conta que mesmo em vida, Das Graças pensava em usar as joias para ajudar nas despesas domésticas e de saúde. No entanto, a saúde da colunista se agravou e sobreveio o internamento e a cirurgia.  Pensando em se desfazer de alguma forma de peças de joias que tinha enquanto presente nas festas de nossa sociedade, Das Graças acionou sua estimada amiga, Sílvia Rodrigues, para que a ajudasse na empreitada, o que foi de pronto atendida.  As joias -  As três peças que serão rifadas, eram relíquias da família  que ela ostentava nas grandes festas da sociedade que participava, ao longo da gloriosa carreira de colunismo

COLUNA SOCIAL Foz em Destaque - Edição CLXXX

DESTAQUE DO DIA

Postagens COLUNA SOCIAL - Edição CXCI

DESTAQUE DO DIA