Pular para o conteúdo principal

Filme vencedor do Festival de Gramado será exibido no Teatro Barracão na sexta

Projeção integra Mostra de Cinema Marcas da Memória em alusão aos 50 anos do Golpe Civil-Militar

O documentário “Repare Bem” será exibido nesta sexta-feira, 4, no Teatro Barracão (Praça da Bíblia). Vencedor do Kikito de melhor longa-metragem estrangeiro no Festival de Gramado de 2013, o documentário aborda a ditadura por meio da história de três gerações de mulheres. A obra tem direção de Maria de Medeiros. A exibição é gratuita e começará às 19h30, seguida de debate com o jornalista Aluízio Palmar.
A sessão pública integra a Mostra Nacional de Cinema “Marcas da Memória“, da Comissão de Anistia. O circuito começou nesta quarta-feira em dezenas de cidades brasileiras em alusão aos 50 anos do Golpe Civil-Militar. A etapa iguaçuense conta com a exibição gratuita de 12 longas e curtas metragens em escolas, universidades, além de organizações sociais e culturais.

Em Foz do Iguaçu serão dez dias de filmes e debates, numa jornada organizada localmente pelo Centro de Direitos Humanos e Memória Popular, Casa do Teatro, Casa da América Latina, Associação Guatá, Webrádio Unila e Unioeste (Universidade Estadual do Oeste do Paraná). A coordenação nacional é do Ministério da Justiça.
A exibição “Repare Bem” contará com debate mediado por um personagem da época. Devido à sua militância revolucionária, Aluízio Palmar não terminou o curso, foi preso e banido do país após ter sido trocado, juntamente com outros 69 presos políticos pelo Embaixador da Suíça no Brasil. Depois de passar oito anos entre o exílio e a clandestinidade, voltou ao Brasil em 1979, quando deu início em Foz do Iguaçu a carreira jornalística que completa 35 anos.

O filme – Produzido em 2013, o longa de 105 minutos reúne imagens feitas no Brasil, Itália e Holanda. As câmaras registraram em Roma e em Joure, no norte da Holanda, os testemunhos de Denise Crispim e de sua filha, Eduarda Ditta Crispim Leite. Apesar de longe do Brasil, suas palavras, que falam de exílio e de memória, levam-nos a um mergulho profundo na história do Brasil, dos anos 70 até a atualidade.
Denise já nasce clandestina em 1949. Seus pais, extremamente politizados, lutaram por uma vida mais justa e são por isso perseguidos por sucessivas ditaduras. Aos 20 anos, Denise torna-se companheira de um guerrilheiro, Eduardo Leite, morto no governo militar brasileiro. Ao fugir para o Chile, reencontra seus pais, também exilados. Lá, ao lado da filha Eduarda, Denise e a mãe vivem a repressão de Pinochet e se separam novamente, para viver na Europa.

Agenda - A programação segue com “Ainda hoje existem perseguidos políticos” (Biblioteca Comunitária Cidade Nova), “Damas da Liberdade” (Colégio Barão do Rio Branco), “Por uma questão de justiça, advogados
contra a ditadura” (Unioeste), “Em Nome da Segurança Nacional” (Colégio Almiro Sartori), “Vou contar para os meus filhos” e “Anistia 30 anos” (Colégio Três Fronteiras e Colégio Cataratas do Iguaçu), “Os militares que disseram não” (Centro de Direitos Humanos e Memória Popular).

Proposta - A mostra tem como objetivo promover sessões públicas e gratuitas de filmes, dedicados à memória e à reflexão crítica sobre os regimes de exceção vividos na América do Sul, em especial no Brasil, e seus reflexos no presente. O circuito é constituído por filmes produzidos pelo projeto Marcas da Memória da Comissão de Anistia do Ministério da Justiça.
Os filmes selecionados para a Mostra de Cinema Marcas da Memória pertencem ao acervo do Centro de Documentação e Pesquisa do Memorial da Anistia. Todos os direitos autorais pertencem à Comissão de Anistia do Ministério da Justiça, que autorizou a exibição pública pelos parceiros aderentes à Mostra de Cinema Marcas da Memória.

“Repare Bem”
Vencedor do Kikito de melhor longa-metragem
estrangeiro no Festival de Gramado de 2013
Data: 4/4 (sexta-feira)
Horário: 19h30
Entrada: gratuita
Local: Teatro Barracão (Praça da Bíblia)

Mais informações:
www.cdhmp.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

Amigas de Das Graças promovem rifa de jóias em apoio ao trabalho e memória da colunista social e fotógrafa

Tudo começou ainda durante a pandemia. Com os trabalhos do filho Marco Antonio pautados em eventos e turismo, as dificuldades claro bateram na porta, e além da venda de um dos automóveis que a família tinha, algo mais precisava ser feito para quitar os compromissos e dívidas inerentes de um ano praticamente sem trabalho, em casa, Das Graças e seu filho Marco. Este grupo de amigas conta que mesmo em vida, Das Graças pensava em usar as joias para ajudar nas despesas domésticas e de saúde. No entanto, a saúde da colunista se agravou e sobreveio o internamento e a cirurgia.  Pensando em se desfazer de alguma forma de peças de joias que tinha enquanto presente nas festas de nossa sociedade, Das Graças acionou sua estimada amiga, Sílvia Rodrigues, para que a ajudasse na empreitada, o que foi de pronto atendida.  As joias -  As três peças que serão rifadas, eram relíquias da família  que ela ostentava nas grandes festas da sociedade que participava, ao longo da gloriosa carreira de colunismo

COLUNA SOCIAL Foz em Destaque - Edição CLXXX

DESTAQUE DO DIA

Postagens COLUNA SOCIAL - Edição CXCI

DESTAQUE DO DIA