Pular para o conteúdo principal

Artigo: ITAIPU, UMA USINA DE ENTREGA - Por Joaquim Silva e Luna.


Itaipu, uma usina de entregas
Joaquim Silva e Luna*

Depois de implantar uma política de austeridade, com mudanças necessárias para essa conjuntura, a atual gestão da margem brasileira da usina de Itaipu prepara um pacote de entregas de obras estruturantes para a população do Oeste do Paraná e, principalmente, Foz do Iguaçu e área de influência da usina, nos próximos dois anos. São obras e iniciativas que dão um novo perfil à região, e que vão permitir a consolidação e abertura permanente de frentes de trabalho e empregos consistentes para profissionais em busca de oportunidades.

Há pouco mais de um ano e dez meses à frente da diretoria geral brasileira, nossa gestão, seguindo os princípios da boa administração pública, e em consonância com as diretrizes do governo Bolsonaro, promoveu uma reestruturação na empresa. Era necessário um novo direcionamento, enxergando um horizonte de, no mínimo, quatro anos à frente. Era necessário reduzir sombreamentos de funções e concentrar toda a direção da empresa junto aos demais empregados, na base de comando da usina. Foz do Iguaçu, que apenas concentrava geograficamente a hidrelétrica, teria outro conceito. Não seria mais apenas uma sucursal, na prática, mas a protagonista. Afinal, é onde está instalada a maior geradora de energia limpa e renovável do mundo. Era necessário estabelecer uma relação colaborativa com a sociedade, onde estamos inseridos.

Feita a reestruturação, inclusive com o exemplo de termos vindo de imediato para Foz do Iguaçu com toda a diretoria, era necessário pensar com austeridade e transformar cada megawatt em entrega para nossa gente. O propósito era melhorar a cidade não apenas para os mais de 150 empregados que vieram transferidos de Curitiba e Brasília, mas, principalmente para seus moradores, que merecem a melhor contrapartida que Itaipu pode oferecer. São projetos como o de cidade inteligente, a segunda ponte sobre o Rio Paraná (já com metade da construção concluída), Perimetral Leste (que vai desviar o tráfego pesado do centro de Foz), as inúmeras ciclovias, a conclusão do mercado municipal, a revitalização do Gramadão da Vila A, e as melhorias nos aeroportos de Foz do Iguaçu e também de Cascavel, entre outros.

Mas a missão de Itaipu vai além. A usina vai continuar investindo no turismo, vocação natural de Foz, e em outras frentes importantes para dar o status que a cidade e a região merecem. Vêm muitas novidades, associadas a esses empreendimentos, por aí, antes de outro tema importante em que cada um de nós terá papel principal. "Nós", a quem me refiro, é a nossa gente. Porque, afinal, o amanhã já começou. E, com ele, desafios e muita vontade de trabalhar pelo desenvolvimento do Brasil e do Paraguai, e, por consequência, do nosso bem maior: as pessoas.


*Joaquim Silva e Luna é General de Exército e diretor-geral brasileiro da Itaipu Binacional.

General Silva e Luna recebeu o título de cidadão honorário de Foz do Iguaçu


Em final de novembro, o  oLegislativo Iguaçuense concedeu na manhã desta terça-feira, 24 de novembro, o Título de Cidadão Honorário de Foz do Iguaçu ao General Joaquim Silva e Luna, Diretor Geral de Itaipu (margem Brasileira), em reconhecimento aos relevantes serviços prestados à coletividade. O autor da proposição e presidente da Câmara Municipal, vereador Beni Rodrigues (PTB), destacou o momento. “Estou muito feliz de entregar esse título porque durante quase dois anos junto à Itaipu, o que o senhor e sua equipe fizeram por Foz do Iguaçu não tem igual. Destaco as obras estruturais que são para sempre”, afirmou.


O presidente da Câmara completou: “Eu moro em Foz do Iguaçu há 46 anos e há mais de 30 existe a promessa da segunda ponte com o Paraguai. Agora está aí a obra acontecendo e junto vem a Perimetral Leste, a duplicação da Rodovia das Cataratas e também a ampliação do aeroporto. General, parabéns pelo seu trabalho junto à Itaipu Binacional. Com tudo que vocês estão fazendo podem ter certeza que Foz vai ser a cidade do futuro que tanto sonhamos”, ressaltou Beni Rodrigues. A solenidade foi privativa em virtude da pandemia, mas contou com a presença do secretário da mesa diretora, Elizeu Liberato (PL) e do vereador Marcio Rosa (PSD).


Ao receber a homenagem, Silva e Luna agradeceu na tribuna da casa. “Confesso que, desde que aqui cheguei, nunca me senti um estranho. Desde o início, senti que era de casa e que estava em casa, graças à maneira calorosa e generosa dessa nossa gente, que me acolheu e - mais que isso - me abraçou. E por causa disso, logo nos juntamos, numa vontade coletiva, com os representantes da sociedade, arregaçamos as mangas e começamos a trabalhar em proveito de Foz do Iguaçu e dessa região do oeste do Paraná, lugar de muitos desafios e muitas oportunidades”.


História
Joaquim Silva e Luna é natural da cidade de Barreiros, em Pernambuco. Casado com Nadejda Kasakevitch e Luna, ele tem três filhos: Thiago, Saulo e Nathália. Em seus 12 anos como Oficial General da ativa foi comandante da 16ª Brigada de Infantaria de Selva, em Tefé-AM; Diretor de Patrimônio; Chefe de Gabinete do Comandante do Exército e Chefe do Estado Maior do Exército. General do Exército da reserva e, nos últimos cinco anos antes de assumir a Diretoria Geral Brasileira de Itaipu, serviu no Ministério da Defesa, inclusive como ministro. Desde fevereiro de 2019 está à frente da gestão brasileira da binacional, onde promoveu uma profunda reestruturação administrativa.


Mais de 60 lideranças políticas e empresariais do Paraná acompanham palestra de Silva e Luna
Diretor-geral brasileiro de Itaipu fechou a série on-line Encontros Pró-Paraná, organizada pelo Movimento Pró-Paraná, que atua na defesa de causas favoráveis ao Estado.


A nova gestão da margem brasileira de Itaipu, com foco na austeridade e transparência, e que permitiu investimentos de R$ 1,4 bilhão da binacional em obras de infraestrutura na região Oeste do Estado, marcou a participação do diretor-geral brasileiro da binacional, general Joaquim Silva e Luna, na conferência Encontros Pró-Paraná. O encontro virtual, na tarde desta quinta-feira (17), fechou o ciclo de palestras de 2020 e foi acompanhado por mais de 60 lideranças políticas e empresariais do Estado.

A série é promovida pelo Movimento Pró-Paraná, uma iniciativa sem fins lucrativos que tem o objetivo de mobilizar a sociedade para defender causas em favor do Estado. Nas últimas duas décadas, o grupo participou de todas as grandes discussões envolvendo o desenvolvimento do Paraná, incluindo o novo modelo de pedágio e a construção da segunda ponte sobre o Rio Paraná, que está em obras, com recursos de Itaipu.

A coordenação da conferência foi do presidente do Movimento Pró-Paraná, Marcos Domakoski, que chamou o ex-diretor geral brasileiro de Itaipu Luiz Fernando Vianna para apresentar o palestrante. Dentre as autoridades estaduais presentes virtualmente estavam o vice-governador do Paraná, Darci Piana; os ex-governadores Orlando Pessuti e Mário Pereira; o presidente da seção paranaense da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-PR), Cássio Lisandro Telles; o presidente da Copel, Daniel Slaviero; o presidente da Coopavel, Dilvo Grolli; o presidente do Programa Oeste em Desenvolvimento, Danilo Vendruscolo – entre outros. 


Silva e Luna abriu a palestra explicando o contexto da criação de Itaipu, que pacificou uma antiga disputa territorial entre Brasil e Paraguai, e a importância da usina para a segurança energética e o desenvolvimento econômico dos dois países. Também ressaltou a importância das ações de proteção ambiental no entorno do reservatório.

Em seguida, detalhou as mudanças de gestão na empresa, desde que assumiu o cargo, em fevereiro de 2019, nomeado pelo presidente Jair Bolsonaro. O maior desafio é preparar a empresa para o cenário pós-2023, quando o Anexo C do Tratado de Itaipu, que trata das bases financeiras e da prestação de serviços de eletricidade, terá de ser renovado.

“Todos os cenários estudados apontam para uma redução nas despesas de exploração”, afirmou. “Até lá (2023), a Itaipu deverá estar preparada para atuar em diferentes cenários, dentro de um mercado de energia elétrica complexo, dinâmico e competitivo”, reforçou.

Dentre as medidas tomadas pela gestão, as mais emblemáticas foram o fechamento de escritórios em Curitiba e Brasília e a concentração de diretores e de todos os empregados em Foz do Iguaçu. “Com a centralização, ganhamos em agilidade, comunicação, governança e alinhamento estratégico”, disse. Investimentos em patrocínios e convênios sem aderência à missão da Itaipu também foram cortados.

A mudança de filosofia empresarial, com base nas diretrizes do governo federal, permitiu que recursos fossem realocados para obras estruturantes, como a construção da nova ponte internacional entre Brasil e Paraguai, a ampliação do Hospital Ministro Costa Cavalcanti (HMCC), a duplicação da BR-469, a Rodovia das Cataratas, e a ampliação da pista de pousos e decolagens do Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu – entre outros.


De acordo com Silva e Luna, o planejamento é a alma da organização. “Planejar e trabalhar consciente de que empregar recursos públicos é uma arte que exige transparência, responsabilidade, metas, prazos, acompanhamento e entrega”, salientou.

Postagens mais visitadas deste blog

Amigas de Das Graças promovem rifa de jóias em apoio ao trabalho e memória da colunista social e fotógrafa

Tudo começou ainda durante a pandemia. Com os trabalhos do filho Marco Antonio pautados em eventos e turismo, as dificuldades claro bateram na porta, e além da venda de um dos automóveis que a família tinha, algo mais precisava ser feito para quitar os compromissos e dívidas inerentes de um ano praticamente sem trabalho, em casa, Das Graças e seu filho Marco. Este grupo de amigas conta que mesmo em vida, Das Graças pensava em usar as joias para ajudar nas despesas domésticas e de saúde. No entanto, a saúde da colunista se agravou e sobreveio o internamento e a cirurgia.  Pensando em se desfazer de alguma forma de peças de joias que tinha enquanto presente nas festas de nossa sociedade, Das Graças acionou sua estimada amiga, Sílvia Rodrigues, para que a ajudasse na empreitada, o que foi de pronto atendida.  As joias -  As três peças que serão rifadas, eram relíquias da família  que ela ostentava nas grandes festas da sociedade que participava, ao longo da gloriosa carreira de colunismo

COLUNA SOCIAL Foz em Destaque - Edição CLXXVIII

DESTAQUE DO DIA Aniversários

32 anos da AgroShopping, agora com duas lojas para estar mais pertinho de você

🎁Aniversário da AgroShopping! 🥳 A AgroShopping comemorou 32 anos de muitos sonhos, projetos e realizações. São mais de três décadas de dedicação e trabalho em equipe para proporcionar um padrão de qualidade único. A AgroShopping não para: depois de inaugurar sua primeira filial, a AgroShopping República, trouxe uma programação especial para comemorar seus 32 anos de história. Com ações focadas no cliente, um dos pontos alto da programação foi o lançamento do Cartão AgroShopping: com o Cartão  AgroShopping, suas compras valem dinheiro... Confira as Promoções de Aniversário: Linha de Cristais Murano e de Flores Permanentes com descontos de 30%. TODA a loja com 10% de descontos*! Linha Pet: Carrinhos, Transporte, Roupinhas, com 20% de desconto. Além disto, tivemos o DIA DA HORTA, que contou com a presença dos técnicos da Isla, uma das maiores fábrica de semente do país, que trouxeram técnicas e inovação com os produtos da marca que representam, o público A-DO-ROU!!! E o lado humano e de