Pular para o conteúdo principal

Visita Ilustre: Ban Ki-Moon, Secretário-geral da Organização das Nações Unidas em Foz

 

O secretário-geral da ONU visitou a usina onde foi recebido pelos diretores da empresa.

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-Moon, afirmou durante visita à usina hidrelétrica de Itaipu, na fronteira do Brasil com o Paraguai, que a binacional tem papel de liderança no desafio de melhorar as condições socioambientais do planeta e de ajudar a milhões de pessoas que ainda não têm acesso à energia elétrica.

“A ONU está apoiando fortemente tudo o que vocês [de Itaipu] estão fazendo. A sua experiência, inovação e a sua visão devem ser compartilhadas e, mais importante, admiradas por outros países. Essa é nossa responsabilidade comum”, declarou o secretário-geral.

Ban Ki-Moon esteve na Itaipu como parte de uma visita oficial de dois dias ao Paraguai. Ele conheceu a usina acompanhado da mulher, Yoo Soon-Taek, e do ministro de Relações Exteriores do Paraguai, Aladio Loizaga – além de outras autoridades da ONU e do governo paraguaio.

Na binacional, o secretário-geral foi recebido pelos diretores-gerais Jorge Samek (Brasil) e James Spalding (Paraguai), e por toda a diretoria da empresa, de ambas as margens. O dirigente máximo da ONU também fez uma visita técnica pelo interior da usina e plantou uma muda de ipê-amarelo no Bosque dos Visitantes, ao lado do Mirante do Vertedouro da margem paraguaia.

Falando aos diretores de Itaipu, no Edifício de Produção, Ban Ki-Moon ressaltou que a sustentabilidade está no topo das preocupações da ONU – e que os projetos de Itaipu estão alinhados com esse processo de transformação da sociedade.

“Em 2012, na Rio+20, concordamos em construir um mundo melhor para todos, com dignidade para todos, em que ninguém é deixado para trás. É isso que sustentabilidade significa. Sustentabilidade econômica, ambiental e social. Essa é a nossa responsabilidade moral e política”, destacou. “E vocês [de Itaipu] são um bom exemplo. É um privilégio e eu me sinto agradecido por ter podido aprender mais com vocês.”

Ainda de acordo com o secretário-geral, é papel dos líderes contemporâneos entregar às futuras gerações um mundo melhor, especialmente no aspecto ambiental. “E vocês [de Itaipu] são líderes. Há um aspecto extremamente importante nisso: vocês estão contribuindo para um mundo mais sustentável. É incrível, para mim, compreender a força que está na água. Sem água e sem energia, não podemos ter um mundo melhor”, completou.
Ban Ki-Moon lembrou que a água e a energia são temas “centrais e transversais” da agenda da ONU – e citou como exemplo o programa Energia Sustentável para Todos, que tem como objetivo suprir toda população mundial com serviços modernos de energia até 2030.

Outro objetivo da ONU, segundo ele, é aumentar a eficiência energética e a participação das energias limpas e renováveis no mix mundial de fontes de abastecimento. “Vejo que no Paraguai essa participação é de 100% e, apesar de o Paraguai não ser um país rico, esse exemplo é muito encorajador”, citou.

Parceria com Itaipu

Ainda no Edifício de Produção, Jorge Samek transmitiu ao secretário-geral mensagem de boas-vindas da presidente do Brasil, Dilma Rousseff. O diretor-geral também disse ao secretário-geral que Itaipu respeita e segue em suas ações corporativas documentos globais da própria ONU, como o Pacto Global, o programa Carta da Terra e os Princípios do Milênio – entre outros –, além de promover ações socioambientais reconhecidas mundialmente, como Programa Cultivando Água Boa (CAB).

Samek lembrou ainda que, em 2008, Itaipu promoveu em Foz do Iguaçu, com apoio da Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (Onudi), um fórum mundial de energias renováveis com mais de 50 países. “Com esse fórum, estabelecemos um profundo trabalho com a ONU”, comentou.







Texto: Assessoria Itaipu
Fotos: Alexandre Marchetti/Itaipu Binacional & Rubens Fraulini/Itaipu Binacional

Postagens mais visitadas deste blog

Amigas de Das Graças promovem rifa de jóias em apoio ao trabalho e memória da colunista social e fotógrafa

Tudo começou ainda durante a pandemia. Com os trabalhos do filho Marco Antonio pautados em eventos e turismo, as dificuldades claro bateram na porta, e além da venda de um dos automóveis que a família tinha, algo mais precisava ser feito para quitar os compromissos e dívidas inerentes de um ano praticamente sem trabalho, em casa, Das Graças e seu filho Marco. Este grupo de amigas conta que mesmo em vida, Das Graças pensava em usar as joias para ajudar nas despesas domésticas e de saúde. No entanto, a saúde da colunista se agravou e sobreveio o internamento e a cirurgia.  Pensando em se desfazer de alguma forma de peças de joias que tinha enquanto presente nas festas de nossa sociedade, Das Graças acionou sua estimada amiga, Sílvia Rodrigues, para que a ajudasse na empreitada, o que foi de pronto atendida.  As joias -  As três peças que serão rifadas, eram relíquias da família  que ela ostentava nas grandes festas da sociedade que participava, ao longo da gloriosa carreira de colunismo

COLUNA SOCIAL Foz em Destaque - Edição CLXXX

DESTAQUE DO DIA

Postagens COLUNA SOCIAL - Edição CXCI

DESTAQUE DO DIA