Pular para o conteúdo principal

Exposições celebram o imaginário feminino no Ecomuseu

Abertura nesta quinta-feira (5) inaugurou a programação do Mês da Mulher na Itaipu Binacional

O Ecomuseu de Itaipu, em Foz do Iguaçu (PR), inaugurou nesta quinta-feira (5) duas exposições que retratam o universo feminino: “Se fosse você”, de Nani Nogara e Malu Rebelato, e “Caleidoscópio – sonhos gravados”, de Lucie Maria Shreiner. As mostras abrem os eventos do Mês da Mulher e permanecem em cartaz até o dia 7 de junho.
A cerimônia de abertura foi marcada por apresentações artísticas e homenagens a 15 mulheres da cidade, de diferentes profissões. Uma das homenageadas foi Lucimeire Amaral de Souza, investigadora da Polícia Civil há 21 anos.

“Para mim, é um presente representar as minhas colega da polícia numa data tão representativa”, disse Lucimeire, que revelou ser apaixonada pelo trabalho. “Quando estamos em campo, não existe homem ou mulher, mas policiais”, afirmou.
“É uma honra homenagear essas mulheres que ocupam profissões que, até pouco tempo, eram restritas aos homens. Vocês são mais que vencedoras”, disse o diretor de Coordenação de Itaipu, Nelton Friedrich.
A diretora financeira executiva de Itaipu, Margaret Groff, destacou que ainda é necessário um dia ou um mês no calendário dedicado às mulheres. Ela disse acreditar que, em breve, o equilíbrio entre homens e mulheres será alcançado.
A trajetória da diretora na empresa é um exemplo. Engenheira de formação, Margaret ingressou na Itaipu na década de 1980, quando havia poucas mulheres no quadro de empegados. Evoluiu na carreira e, há oito anos, ocupa um dos cargos mais importantes empresa.
“Foco minha atuação em ações com crianças e mulheres. As crianças porque são o futuro; e as mulheres porque ainda são discriminadas”, explicou Margaret. E completou: “Nós, que somos empoderadas, precisamos ajudar as outras. Assim, seremos mais fortes.”

Sobre as mostras

Nani Nogara e Malu Rebelato, ambas de Cascavel, são as criadoras da mostra “Se fosse você”, do coletivo de artistas Duas Marias. A exposição é composta por imagens e instalações.
Os visitantes poderão participar da obra, recriando as performances das artistas. O objetivo é criar uma empatia entre público e artistas. “A mulher é forte e não desiste dos seus objetivos. É isso que procuramos retratar na nossa exposição”, disse Nani Nogara.
Na outra sala, os visitantes encontrarão 27 obras da exposição “Caleidoscópio - sonhos gravados”, da artista Lucie Maria Shreiner, de Marechal Cândido Rondon. “Por meio da xilogravura, busco retratar o lado sonhador mulher. O imaginário feminino.”
As exposições são organizadas pelo Ecomuseu em parceria com o Programa de Equidade de Gênero de Itaipu e com o Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz), além de outros coletivos femininos da região da Bacia do Paraná 3 (BP3).
 
Serviço
Exposições: “Se fosse você”, de Nani Nogara e Malu Rebelato, e “Caleidoscópio – sonhos gravados”, de Lucie Maria Shreiner.
Data: até 7 de junho.
Local: Ecomuseu de Itaipu (Avenida Tancredo Neves, 6001 – Foz do Iguaçu. Telefone: 0800 645-4645)
Horário: terça a domingo, das 8h às 16h30
Preços: R$ 10 (integral) e R$ 5 (meia-entrada). Entrada gratuita para moradores de municípios lindeiros, crianças de 0 a 6 anos e pessoas com deficiência. Idosos pagam meia.

Mais informações: www.turismoitaipu.com.br.

Fotos e textos: Assessoria Itaipu Binacional


















Postagens mais visitadas deste blog

Amigas de Das Graças promovem rifa de jóias em apoio ao trabalho e memória da colunista social e fotógrafa

Tudo começou ainda durante a pandemia. Com os trabalhos do filho Marco Antonio pautados em eventos e turismo, as dificuldades claro bateram na porta, e além da venda de um dos automóveis que a família tinha, algo mais precisava ser feito para quitar os compromissos e dívidas inerentes de um ano praticamente sem trabalho, em casa, Das Graças e seu filho Marco. Este grupo de amigas conta que mesmo em vida, Das Graças pensava em usar as joias para ajudar nas despesas domésticas e de saúde. No entanto, a saúde da colunista se agravou e sobreveio o internamento e a cirurgia.  Pensando em se desfazer de alguma forma de peças de joias que tinha enquanto presente nas festas de nossa sociedade, Das Graças acionou sua estimada amiga, Sílvia Rodrigues, para que a ajudasse na empreitada, o que foi de pronto atendida.  As joias -  As três peças que serão rifadas, eram relíquias da família  que ela ostentava nas grandes festas da sociedade que participava, ao longo da gloriosa carreira de colunismo

COLUNA SOCIAL Foz em Destaque - Edição CLXXX

DESTAQUE DO DIA

Postagens COLUNA SOCIAL - Edição CXCI

DESTAQUE DO DIA