Pular para o conteúdo principal

Brasil faz história em mundial de canoagem slalom


Campeonato foi disputado no Canal Itaipu, uma das melhores pistas do mundo para este tipo de competição

O Brasil teve a melhor participação de todos os tempos no Campeonato Mundial de Canogem Slalom Júnior e Sub-23. Os brasileiros conseguiram quatro medalhas, três de bronze e uma de prata, um feito inédito para essa modalidade. O campeonato foi disputado de quarta-feira (22) a domingo (26), no Canal Itaipu, em Foz do Iguaçu, que, na avaliação dos atletas, está entre os melhores do mundo.
“Seria impossível imaginar uma participação brasileira tão boa”, reconhece o superintendente da Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa), Argos Rodrigues, valorizando a chegada de treze atletas às provas finais e com chances de medalha. “Se antes éramos azarões, hoje já podemos competir de igual para igual com as grandes potências”.
Para o auxiliar técnico da Seleção Brasileira, Guillermo Diez-Canedo Fernandez, o Guille, a evolução do País na canoagem é visível. “Chegamos aos campeonatos com grande número de atletas e de boa qualidade”, diz. Guille acredita que o Brasil tem grandes chances de medalhas na Olimpíada 2016. “Se continuarmos o trabalho sério, esta será a geração dos Jogos Olímpicos de 2020”.
 “É um orgulho muito grande para Itaipu ter sido pioneira no apoio à canoagem”, afirma o superintendente de Comunicação Social de Itaipu, Gilmar Piolla. Segundo ele, os bons resultados do Brasil no esporte são fruto de uma parceria que começou na empresa e se multiplicou com o apoio do Ministério do Esporte e do Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES).
O Campeonato Mundial de Canogem Slalom Júnior e Sub-23 reuniu quase 400 atletas de 36 países, durante cinco dias, no Canal Itaipu, dentro da usina hidrelétrica de Itaipu.

Quatro medalhas
O Brasil conseguiu medalhas em quatro categorias. A única prata foi de Ana Sátila, no caiaque individual (K1) feminino Sub-23. “Foi bom demais. É meu primeiro ano na categoria e já consegui prata. Perdi para a melhor do mundo”, afirma Ana Sátila, que, com 18 anos, pode competir na categoria por mais cinco anos.
A dupla de canoístas Charles Corrêa e Anderson Oliveira foi bronze na canoa dupla (C2) masculino Sub-23, marca nunca antes obtida pelo Brasil nesta categoria. Outro bronze inédito veio por equipe, com os atletas Pedro Henrique Gonçalves, Fábio Schena e Guilherme Mapelli, no caiaque individual (K1) masculino Sub-23.
O canoísta Felipe Borges da Silva também foi bronze na canoa individual (C1) masculino Sub-23. Tricampeão brasileiro, bicampeão sul-americano e campeão pan-americano, Felipe comemorou a boa classificação no mundial. “Eu esperava chegar à final, mas ter conseguido o terceiro lugar foi como ganhar o ouro”, diz.
Felipe começou a remar em 2009, mesmo ano do nascimento do Meninos do Lago, programa social mantido pela Itaipu Binacional, que vem revelando grandes atletas. “Comecei no projeto por curiosidade e acabei pegando gosto pelo esporte”, resume. Para ele, mais que revelar atletas, o programa dá um novo sentido à vida das pessoas. “Ele ajuda você a crescer porque, além da prática do esporte, exige que o jovem atleta continue na escola e tire boas notas”, conta. Desde sua criação, em 2009, já passaram pelo programa mais de 400 meninos e meninas.

Padrão internacional
Para receber o mundial, o Canal Itaipu passou por uma ampla reforma, que o deixou mais rápido e competitivo. Em dois trechos, foram construídos diques, que concentraram a passagem da água, evitando áreas de água parada e tornando a chegada da prova mais segura.
“É um canal padrão ICF [Federação Internacional de Canoagem, na sigla em inglês]”, ilustra Guille, em referência aos estádios padrão Fifa da última Copa do Mundo. Segundo ele, mais rápido, o canal exige técnica dos competidores. “Temos aqui um dos melhores centros do mundo para treinar”, conclui.
“Se antes do mundial, tínhamos um canal nota oito, hoje é nota 10”, reforça Argos Rodrigues. De acordo com o superintendente da CBCa, a seleção continuará treinando no canal, mesmo quando a pista do Rio de Janeiro, onde acontecerão os Jogos Olímpicos, estiver pronta. “O projeto continua em Foz do Iguaçu. O apoio que a Itaipu nos dá é significativo e não podemos abrir mão de um canal excepcional como este”.

Rio 2016
Além das reformas estruturais, o canal teve garantia de água durante todo o campeonato graças à aquisição das bombas pelo Ministério dos Esportes (ME), ao custo de R$ 3 milhões. De acordo com o secretário executivo do ME, Ricardo Leyser, o Plano Brasil Medalhas está investindo na formação de atletas brasileiros, principalmente, para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, no ano que vem.
“Temos uma verba de R$ 1 bilhão para quatro anos, em todos os esportes. O objetivo é chegar entre os dez primeiros países na Olimpíada, com um quadro de 25 a 27 medalhas”, afirma Leyser. Para ele, a canoagem slalom pode contribuir com esta meta. “Tivemos uma melhora expressiva em nossa participação nos últimos campeonatos”, conclui.

Mais informações: http://www.canoagem.org.br/



Postagens mais visitadas deste blog

COLUNA SOCIAL Foz em Destaque - Edição CLXXI

  DESTAQUE DO DIA

Amigas de Das Graças promovem rifa de jóias em apoio ao trabalho e memória da colunista social e fotógrafa

Tudo começou ainda durante a pandemia. Com os trabalhos do filho Marco Antonio pautados em eventos e turismo, as dificuldades claro bateram na porta, e além da venda de um dos automóveis que a família tinha, algo mais precisava ser feito para quitar os compromissos e dívidas inerentes de um ano praticamente sem trabalho, em casa, Das Graças e seu filho Marco. Este grupo de amigas conta que mesmo em vida, Das Graças pensava em usar as joias para ajudar nas despesas domésticas e de saúde. No entanto, a saúde da colunista se agravou e sobreveio o internamento e a cirurgia.  Pensando em se desfazer de alguma forma de peças de joias que tinha enquanto presente nas festas de nossa sociedade, Das Graças acionou sua estimada amiga, Sílvia Rodrigues, para que a ajudasse na empreitada, o que foi de pronto atendida.  As joias -  As três peças que serão rifadas, eram relíquias da família  que ela ostentava nas grandes festas da sociedade que participava, ao longo da gloriosa carreira de colunismo

COLUNA SOCIAL Foz em Destaque - Edição CLXXVIII

DESTAQUE DO DIA Aniversários