Pular para o conteúdo principal

Livreiros destacam recorde de público e vendas

Com ASSESSORIA


Auditório lotado durante palestra na Feira do Livro - Foto Áurea Cunha

Empresários elogiam movimento, diversidade de pessoas e atrações

A opinião entre os livreiros é unânime. A 9ª Feira Internacional do Livro de Foz do Iguaçu superou as expectativas em volume de vendas, movimento e diversidade de público. Esse salto quantitativo e qualitativo revela que a comunidade iguaçuense abraçou o encontro literário, mergulhando a fundo no mundo das letras.
Carlos Antônio Rosotti, da Livraria Sebo Cultural - Foto Áurea Cunha
O complexo cultural permaneceu com os estandes repletos de adultos, jovens e crianças desde o primeiro dia, tanto pela manhã, quanto à tarde e à noite. Ao longo do evento, foram registrados inclusive vários picos de superlotação e os números indicam a superação da meta inicial de público, estimada em 50 mil pessoas.
Para Claimar Erni Granzotto, da Livraria Kunda, a Feira do Livro de Foz já é uma das mais importantes do Paraná, contribui para mudar a imagem cultural da cidade. “Desde a abertura foi uma surpresa. Conversando com os colegas constatamos que a feira é nossa. Isso é uma conquista. Pessoas diferentes no dia a dia. Estimo ter vendido 30% a mais em relação à minha melhor marca de vendas”, afirmou.
Claimar Erni Granzotto, da Livraria Kunda - Foto Áurea Cunha
O livreiro Carlos Antônio Rosotti, da Livraria Sebo Cultural, destacou o crescimento no fluxo de pessoas nesta edição, o que resultou em aumento de pelo menos 20% nas vendas em relação às anteriores. “Das cinco edições das quais participamos, esta, sem sombras de dúvidas, teve o maior fluxo de pessoas. Tirando uma manhã de chuva, houve uma regularidade de grande movimento”, avaliou o empresário.

Diversidade – Para Nharrime Musser da Silva, da Essência da Leitura, a feira superou as anteriores em público, em vendas e variedade de atrações artísticas. Coordenadora do Núcleo de Livrarias, Nharrime contou que antes o interesse maior era pelos escritores famosos. Agora, as pessoas foram para visitar a feira, mergulhar nos livros e ver as palestras, além de apreciar o teatro, a música e o circo. “A interação das pessoas foi sensacional. Isso que vale a pena. Foi tudo excelente”, disse a livreira.
Nharrime Musser da Silva, da Essência da Leitura - Foto Áurea Cunha
A diversidade de público também foi destacada por Rosemary Salles, da Epígrafe Livraria e Editora. Ela lembrou que antes a predominância era de crianças e adolescentes; este ano a presença de adultos e terceira idade foi marcante. “Desde o primeiro dia, já começou cheio. Esta edição foi muito mais visitada em vários horários, bastante circulação de pessoas o tempo todo, em diferentes momentos. Tudo muito positivo”, resumiu Rosemary.
A avaliação dos livreiros também foi unânime quanto ao perfil dos visitantes. Moradores dos bairros e do centro e de diferentes classes sociais visitaram a feira com o sentimento de estar em casa. Antes as crianças olhavam os estandes de forma distantes como se fossem vitrines, hoje entram nos espaços com o sentimento de entrar na biblioteca da escola ou a biblioteca municipal. A cidade tomou conta do evento.

Rosemary Salles, (Epígrafe Livraria e Editora) - Foto Aurea Cunha
Organização – A 9ª Feira Internacional do Livro é promovida pela Prefeitura de Foz do Iguaçu, por meio da Fundação Cultural e da Secretaria Municipal de Educação. O encontro literário tem o apoio da Itaipu Binacional, Biblioteca Pública do Paraná, Secretaria Municipal de Turismo, Núcleo de Livrarias, Parque Tecnológico Itaipu, Unila, Unifoz, Uniamérica, Cesufoz, UDC, Ceaec, Colégio Bertoni e Colégio Estadual Bartolomeu Mitre.

9ª Feira Internacional do Livro
Data: de 30 de agosto a 8 de setembro
Local: Praça das Nações (Mitre)
www.facebook.com/feirainternacionaldolivro
www.feiradolivrofoz.com.br



Feira do Livro de Foz 2013 - Foto Áurea Cunha



Postagens mais visitadas deste blog

Amigas de Das Graças promovem rifa de jóias em apoio ao trabalho e memória da colunista social e fotógrafa

Tudo começou ainda durante a pandemia. Com os trabalhos do filho Marco Antonio pautados em eventos e turismo, as dificuldades claro bateram na porta, e além da venda de um dos automóveis que a família tinha, algo mais precisava ser feito para quitar os compromissos e dívidas inerentes de um ano praticamente sem trabalho, em casa, Das Graças e seu filho Marco. Este grupo de amigas conta que mesmo em vida, Das Graças pensava em usar as joias para ajudar nas despesas domésticas e de saúde. No entanto, a saúde da colunista se agravou e sobreveio o internamento e a cirurgia.  Pensando em se desfazer de alguma forma de peças de joias que tinha enquanto presente nas festas de nossa sociedade, Das Graças acionou sua estimada amiga, Sílvia Rodrigues, para que a ajudasse na empreitada, o que foi de pronto atendida.  As joias -  As três peças que serão rifadas, eram relíquias da família  que ela ostentava nas grandes festas da sociedade que participava, ao longo da gloriosa carreira de colunismo

COLUNA SOCIAL Foz em Destaque - Edição CLXXX

DESTAQUE DO DIA

Postagens COLUNA SOCIAL - Edição CXCI

DESTAQUE DO DIA