Pular para o conteúdo principal

Exposição Múltiplos Leminski: Itaipu doa exemplares de livro de Leminski




A exposição Múltiplo Leminski, sobre o artista Paulo Leminski (1944-1989), aberta no Ecomuseu de Itaipu, também deixará um legado material em Foz do Iguaçu. Nesta quinta-feira (12), a Itaipu começou a doação de 45 exemplares de Toda Poesia, best seller que reúne textos do poeta, escritor e compositor curitibano, editado pela Companhia das Letras.

Os livros foram comprados pela binacional e serão entregues às bibliotecas das escolas públicas de Foz que passarem pela mostra, que fica no Ecomuseu até o dia 20 de outubro. Cada instituição de ensino ganhará um exemplar.
Segundo Paulino Motter, consultor da Diretoria Geral Brasileira, a doação pretende estimular a vinda das escolas à exposição e colocá-las em contato com a vida e a obra de Leminski. “Elas sairão com um artefato material para dar continuidade ao estudo desse singular e múltiplo artista paranaense”, disse Motter. 
O primeiro contemplado foi o Colégio Estadual Gustavo Dobrandino da Silva, do bairro Jardim Patriarca. A escola visitou o Ecomuseu com um grupo de 67 pessoas, entre alunos do ensino médio e professores. A entrega foi feita por Tatiara Damas, da Divisão de Educação Ambiental, à professora de Língua Espanhola, Ângela da Silva Moreira.
“Para nós foi importante fazer essa leitura visual de Leminski aqui no Ecomuseu”, afirmou a educadora. “Estamos conhecendo a cultura do Paraná e as ideias que ele criou são muito parecidas com as dos jovens”, disse Diego Augusto de Deus, 17 anos, um dos alunos do colégio. 
Plural
Tatiara Damas aproveitou o contato com os alunos para falar da experiência de outros estudantes com a obra de Leminski. “Para muitas pessoas, a exposição tem sido o primeiro contato com este autor multifacetado”, disse Tatiara. E completou: “O livro permitirá uma continuidade de aprofundamento na obra poética dele”, disse a colega, que lembrou a importância desta edição para a cultura paranaense. “No Estado, ele superou as vendas de Cinquenta Tons de Cinza [best seller mundial]”, afirmou.
No Ecomuseu, a exposição também tem feito o espaço bater recordes de visitação. Em agosto, 25.564 pessoas passaram pelo local. Em junho, antes do início da mostra, a frequência registrada foi de 2.858 visitantes.

Ângela da Silva Moreira, professora do Colégio Dobrandino, recebe o livro entregue por Tatiara Damas, da Itaipu.  Foto: Caio Coronel/Itaipu Binacional.

Estratégia poética
A habilidade de Leminski de jogar com as palavras impressionou quem desconhecia o artista. “Achei demais esse aqui”, disse Vanessa Machado, 18 anos, na frente do painel do poema Contranarciso. “(...) assim como/ eu estou em você/ eu estou nele/ em nós/ e só quando/ estamos em nós/ estamos em paz / mesmo que estejamos a sós”, leu, maravilhada. E emendou: “Quero conhecer as músicas dele também, vou procurá-las na internet”.
“Eu já tinha ouvido falar dele, mas nunca havia lido”, disse Carolayn Zaguine Gonçalves, 16 anos. Para Ana Rafaela Paredes, 15 anos, a visita desta quinta-feira foi uma imersão no mundo da poesia. “Os poemas dele são muito bons. Você mergulha mesmo, entra fundo neles”, afirmou a estudante.
Parceria
O lote de Toda Poesia foi adquirido pela Itaipu, com desconto de 50%, por intermédio da curadoria da exposição, em parceria com a Companhia das Letras. Foram entregues também dois exemplares à Biblioteca do Parque Tecnológico Itaipu (PTI) e outro à Biblioteca do Ecomuseu.   

A doação é para as escolas públicas, mas a visitação também é aberta às instituições privadas. Para agendar a visita institucional, é preciso entrar em contato com a Divisão de Educação Ambiental, via e-mail, e confirmar por telefone. Os números são (45) 3520-5626 e 3520-5642 e o e-mail é refugiobiologico@itaipu.gov.br.

Postagens mais visitadas deste blog

Amigas de Das Graças promovem rifa de jóias em apoio ao trabalho e memória da colunista social e fotógrafa

Tudo começou ainda durante a pandemia. Com os trabalhos do filho Marco Antonio pautados em eventos e turismo, as dificuldades claro bateram na porta, e além da venda de um dos automóveis que a família tinha, algo mais precisava ser feito para quitar os compromissos e dívidas inerentes de um ano praticamente sem trabalho, em casa, Das Graças e seu filho Marco. Este grupo de amigas conta que mesmo em vida, Das Graças pensava em usar as joias para ajudar nas despesas domésticas e de saúde. No entanto, a saúde da colunista se agravou e sobreveio o internamento e a cirurgia.  Pensando em se desfazer de alguma forma de peças de joias que tinha enquanto presente nas festas de nossa sociedade, Das Graças acionou sua estimada amiga, Sílvia Rodrigues, para que a ajudasse na empreitada, o que foi de pronto atendida.  As joias -  As três peças que serão rifadas, eram relíquias da família  que ela ostentava nas grandes festas da sociedade que participava, ao longo da gloriosa carreira de colunismo

COLUNA SOCIAL Foz em Destaque - Edição CLXXX

DESTAQUE DO DIA

Postagens COLUNA SOCIAL - Edição CXCI

DESTAQUE DO DIA